Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

ABRH-SP Campinas e CIEE, uma parceria de sucesso!

O evento Desenvolve Carreira realizado no dia 28 de maio  em Campinas  foi bastante elogiado por estudantes e profissionais de RH da região.Com aproximadamente 200 participantes  o evento teve 2 palestras de destaque a seguir:

Eduardo Shinyashik que falou como vencer desafios e construir seu futuro  e Sidnei Oliveira que apresentou qual será o profissional do futuro.

Fonte: ABRH-SP Regional Campinas

{module compartilhar}

Dia do Administrador de Pessoal

A ABRH-SP parabeniza todos os profissionais que comemoram amanhã o Dia do Administrador de Pessoal e têm contribuído, com dedicação e muito trabalho, para o aprimoramento da gestão de pessoas.

Para quem não sabe, a criação da data foi uma iniciativa da própria Associação nos anos 1970. Foi na festa de inauguração da antiga sede da Apap (Associação Paulista de Administração de Pessoal), hoje ABRH-SP, na Alameda Barros, em 26 de julho de 1976, que surgiu a proposta de criação do Dia do Administrador de Pessoal. Na ocasião, Genézio Lucone, um dos fundadores da entidade, sugeriu que aquela data fosse escolhida para celebrar os profissionais da área. A proposta foi encaminhada para as federações internacionais, mas a data ficou sendo 3 de junho, o mesmo dia da fundação da WFPMA (World Federation of People Management Associations).

 {module compartilhar}

TERCEIRO SETOR: Asap pretende estimular empresas na gestão de saúde populacional

Associação sem fins lucrativos, a Aliança para a Saúde Populacional (Asap) foi criada por um grupo de empresas cujo objetivo é reunir instituições que atuem, administrem e interajam, de forma direta ou indireta, com a saúde das populações, fornecendo ferramentas para estratificar e diminuir os riscos de forma sistematizada, dentro de metodologias científicas, com resultados e ganhos comprovados.

A associação busca replicar, no Brasil, a experiência de sucesso nos Estados Unidos com a Care Continuum Alliance (CCA), entidade referencial em indicadores, metodologias e na difusão das melhores práticas em Gestão de Saúde Populacional (GSP).

É fácil entender a importância da Asap, principalmente porque o absenteísmo e o aumento dos custos com planos de saúde são problemas cada vez mais preocupantes. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2008 revelou que cerca de 10,3 milhões de brasileiros em idade ativa (entre 14 e 64 anos) foram afastados do trabalho por conta de doenças.

Considerando esses fatores, a GSP é a resposta ideal para essa questão. “O conceito tem por direcionamento a gestão de saúde das pessoas, ou seja, ajudar os trabalhadores a mudar seu comportamento e tomar medidas efetivas para evitar o desenvolvimento de doenças”, explica Marília Ehl Barbosa, superintendente executiva da entidade.

O trabalho da Asap consiste em compartilhar práticas, padronizar modelos e referenciar metodologia, para que os gestores de RH consigam tomar decisões com base técnica. No último dia 28, a Asap reuniu mais de 200 pessoas para discutir o tema em profundidade, no seu 1º Fórum Internacional, que contou com a participação do presidente da CCA, dr. Frederic Goldstein, e de José Perdomo, head global da Telefônica para e-health.

A Asap, hoje, já conta com várias empresas associadas, dentre elas Telefónica Vivo, Amil, Bradesco Saúde e Sul América.

{module compartilhar}

PESQUISA EM FOCO: Estudo aponta os principais obstáculos ao desempenho

No dia 26 de junho, das 9 às 11 horas, a ABRH-SP vai apresentar os resultados da pesquisa, realizada recentemente pela MicroPower, que buscou identificar os principais obstáculos ao desempenho presentes nas organizações brasileiras e a utilização das melhores práticas de gestão de performance, atualizando dados da participação do Brasil em um estudo internacional.

“Os resultados permitirão ao participante conhecer quais os principais fatores que se opõem ao desempenho, como superar esses obstáculos e elevar o nível de performance da organização, e as práticas de gestão de performance utilizadas nas empresas brasileiras”, antecipa o diretor da MicroPower Augusto Gaspar, que irá apresentar os resultados da pesquisa em conjunto com Carolina Ribeiro do Val, consultora de Negócios da MicroPower.

Inscrições: (11) 5505-0545 ou eventos@abrhsp.org.br

{module compartilhar}

RELAÇÕES DE TRABALHO: Evento promoveu análise crítica sobre a PEC das Domésticas e sua aplicação na prática

Tema polêmico, as mudanças decorrentes da PEC das Domésticas, Proposta de Emenda à Constituição que regulamentou o trabalho dos empregados domésticos, são de particular interesse do profissional de Recursos Humanos. Não só por se tratar de uma questão de importância social, mas, principalmente, porque esse profissional tem sido procurado pelos colaboradores das empresas que buscam orientação sobre o assunto a fim de entender as mudanças e lidar com elas na vida privada.

Para ajudar os profissionais da área, o Corhale – Comitê RH de Apoio Legislativo, grupo mantido pela ABRH-SP que estuda e sugere aos órgãos legislativos propostas relacionadas às relações de trabalho, promoveu, na última segunda, um evento sobre o tema na sede da Associação. “O Legislativo lançou um cardápio, que foi para a cozinha para ser preparado e receber os ingredientes. Tudo, portanto, ainda está em discussão, por isso são muitas as dúvidas”, disse Carlos Silva, diretor Jurídico da ABRH-SP e coordenador do Corhale. Silva foi um dos palestrantes do debate, ao lado de José Eduardo Pastore, advogado, mestre em Direito Social e conselheiro da ABRH-SP, e Wolnei Tadeu Ferreira, diretor Jurídico da ABRH-Nacional.

Os palestrantes foram unânimes em destacar a importância social do projeto e seu objetivo de dar aos empregados domésticos um trabalho digno e devidamente protegidos – atualmente, das cerca de 6,7 milhões de pessoas que atuam no segmento no país, apenas 1,6 milhão têm registro em carteira –, mas analisaram de forma crítica os pontos polêmicos e de difícil aplicação prática.

“Sou a favor de que todo mundo esteja no mercado formal, mas a lei já nasce com defeito de fabricação e um vício formal, pois parte da premissa de equiparar direitos entre desiguais. A empregada doméstica não é igual à empregada de uma empresa em termos de atividade colaborativa. A primeira usufrui benefícios que a outra não possui, como moradia e alimentação, por exemplo. Portanto, a lei trata de forma igual situações desiguais”, alertou Pastore. “Além disso, olha para o empregador como se ele fosse uma empresa, fazendo com que ele fique com todo o ônus da formalização, sem poder repassar os aumentos como faz normalmente uma empresa.”

 

Pastore citou alguns exemplos que tornam difícil a aplicação da lei na prática, como a dificuldade de regular a jornada de trabalho do empregado doméstico (horários de almoço e de entrada e saída) e a questão da fiscalização. “O lar é um bem inviolável. Como o fiscal do trabalho vai fiscalizar casa por casa? Com uma ordem judicial?”, questionou.

“O trabalho do legislativo não olhou as particularidades. Penso que os efeitos serão muito mais contrários ao esperado”, analisou Ferreira. Ele lembrou: “O trabalho doméstico é uma terceirização da (ou na) família. Portanto, nos iludimos ao achar que a relação de trabalho nunca vai dar errado. É uma relação de pura conveniência”, disse, pedindo atenção ao projeto de lei que regulamentará os pontos da PEC e está sendo preparado pelos parlamentares para tramitar nas duas casas legislativas.

A saída

Segundo Ferreira, a saída, por enquanto, é os RHs orientarem os colaboradores da empresa a fazerem um contrato por escrito com os empregados domésticos, colocando todas as condições oferecidas, a exemplo do horário da jornada de trabalho. Já Pastore falou da importância de exercer a cidadania, porque a lei não vai mudar sozinha. “Temos de escrever artigos, pressionar os congressistas, expor as incongruências da lei e cobrar o parlamentar que votou a favor dela”, recomendou.

{module compartilhar}

Sua situação financeira pode fazê-lo perder o emprego?

A preocupação com “educação financeira no ambiente de trabalho” é algo relativamente recente no Brasil, mas o assunto vem sendo estudado e acompanhado com alguma atenção nas economias desenvolvidas há um bom tempo.

Eu vivo em constante contato com gestores de recursos humanos e, baseado nas minhas observações e conversas com esses profissionais, é quase unânime a percepção de que os desafios financeiros dos funcionários afetam a performance do empregador. Minha conclusão é empírica (até porque desconheço pesquisas formais sobre o tema feitas no Brasil), mas nos Estados Unidos, segundo pesquisa da Society for Human Resource Management, realizada em janeiro de 2012, 83% dos profissionais de RH acreditam que as angústias financeiras dos funcionários têm, SIM, impacto negativo na empresa.

A simples percepção de que um funcionário está com problemas financeiros já é o suficiente para que ele se torne um foco de atenção e, definitivamente, não “no bom sentido”. O funcionário com problemas financeiros torna-se (é lamentável ter que dizer isto…) um “risco” para a empresa e por isso deve ser observado (e, se possível, ajudado).

O universo das finanças pessoais é bastante amplo, mas, aqui no Brasil, o assunto que é disparado o “campeão de audiência” é o endividamento.

O endividamento é um problema interessante, até porque, tecnicamente falando, ele não é um “problema”. O endividamento é a CONSEQUÊNCIA (ou o sintoma, se preferir) do desequilíbrio financeiro, este sim o verdadeiro problema.

 

Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

{module compartilhar}

Gestão de Competência e Desempenho

Autor de vários livros sobre gestão de pessoas, avaliação de competências e desempenho e Balanced Scorecard, considerados referência na área, o facilitador e consultor Rogerio Leme é o convidado da ABRH-SP Regional Bauru para ministrar a palestra Gestão de Competência e Desempenho: Alinhando pessoas e resultados para aumentar a competitividade.

Gratuito para os associados da entidade, o evento está programado para o dia 5 de junho, às 19h30, no Auditório Sesi (R. Zélia Alcântara Nogueira 1-67, próximo ao Horto Florestal), em Bauru.

 

Mais informações: (14) 3011-8099

{module compartilhar}

TEMAS EM DEBATE: Como ser desejado como empregador

O desafio da atração e retenção dos jovens talentos passa necessariamente por um trabalho de employer branding, que nada mais é que administrar a marca da empresa como empregadora. O tema esteve em foco na palestra apresentada na quinta passada por Marcelo Egéa (foto), sócio-diretor da consultoria Ser Total.

Como explicou Egéa, um trabalho de employer branding exige que os RHs façam várias perguntas: O quanto o processo atual de atração diferencia a sua empresa das demais?; O que torna a sua empresa atraente para os jovens?; Quão presente a sua marca está entre eles? e Como isso impacta a retenção de talentos?

“É preciso trocar a relação de Recrutamento & Seleção por uma relação em que a empresa dá algo para os jovens”, pontuou Egéa. Uma das formas de fazer isso é por meio do uso de games. Os chamados business games têm uma série de vantagens: atraem as pessoas e as motivam pelo desafio; permitem a avaliação em situações próximas ao real; proporcionam envolvimento intelectual e emocional; fornecem a aprendizagem prática pela experiência e a observação do comportamento em grupo; e mostram como a pessoa contribui para a equipe.

O palestrante deu como exemplo a Global Management Challenge (GMC), competição internacional de estratégia e gestão criada há 33 anos, que hoje reúne jovens de mais de 30 países, incluindo o Brasil. As equipes participantes do game são patrocinadas por empresas que têm interesse em divulgar a sua marca para esse público. 

{module compartilhar}

INSTITUCIONAL: Grupos de Estudo da ABRH-SP têm como foco temas atuais e polêmicos da gestão de pessoas

Uma das principais atividades da ABRH-SP, os Grupos de Estudo atualmente são formados tanto na sede quanto nas Regionais Baixada Santista, Campinas, Ribeirão Preto (leia ao lado), além da cidade de Jundiaí. São quase 30 grupos que discutem os principais conceitos e tendências de assuntos relacionados à gestão de pessoas, como coaching, aquisição e retenção de talentos, desenvolvimento de lideranças, responsabilidade social, entre outros temas.

“No grupo RH nas Empresas Familiares, temos discutido como a área de Recursos Humanos pode ajudar as empresas familiares e seus sócios no processo de profissionalização. Já debatemos o que vem primeiro: a empresa ou a família? E também analisamos como o RH pode auxiliar no desenvolvimento dos membros da família”, sintetiza Patricia Buzolin, facilitadora do grupo e coordenadora da atividade desde a sua implantação na ABRH-SP em 2007.

 

 “O grupo é grande, comprometido e muito interessado. Tenho certeza de que teremos bons frutos”, prevê Patricia, que é coaching e consultora com atuação no desenvolvimento de líderes, com ênfase em jovens, conflitos entre gerações e empresas que estão em processo de mudança. 

 

Já o foco do grupo Estratégias para Aquisição e Retenção de Talentos tem sido entender os fatores que fazem com que um profissional permaneça ou não na empresa, como as questões relacionadas ao clima e à cultura organizacional e aos planos de remuneração, carreira e sucessão e desenvolvimento de liderança. “É uma discussão ampla, que passa por outras áreas de RH”, explica Ana Maria de Freitas, sócia-diretora do IPO e facilitadora do grupo, que é promovido tanto em Jundiaí como na sede – nesta última ela divide a função com a consultora Carina Guerreiro, coordenadora de Seleção Personalizada do IPO.

Segundo Ana Maria, as questões são as mesmas nos dois grupos. “Por isso, estamos iniciando uma integração entre eles, que será potencializada com a utilização da People [rede social exclusiva da ABRH-SP] por todos os participantes dos dois grupos.”

 

A partir desta edição, o jornal Gestão de Pessoas vai publicar na seção Em Foco nos Grupos, os assuntos que estão em pauta nos Grupos de Estudo da ABRH-SP. Acompanhe.

 

Em Ribeirão Preto

Mais uma Regional vai oferecer a atividade dos Grupos de Estudo para seus associados. Ribeirão Preto já está com as inscrições abertas para três grupos (os encontros terão início no próximo mês e se estendem até novembro). Veja as opções:

– Consultoria Interna de Recursos Humanos

Facilitadora: Nanci Erthal, consultora especializada na aplicação de modelos de consultoria interna para o desenvolvimento das práticas de RH

– Coaching

Facilitador: Jair Ferreira Lima Junior, instrutor de treinamento e executive coach

– Direito do Trabalho

Facilitador: Sylvio Rodrigues Neto, advogado da área trabalhista e fundador do escritório que leva seu nome

{module compartilhar}

REGIONAIS: Eventos sobre gestão sustentável em Campinas

Uma abordagem multidisciplinar da gestão sustentável será tema de três eventos que a ABRH-SP Regional Campinas e o Instituto Ethos vão promover em conjunto nos próximos dias, na cidade de Campinas.

O primeiro deles acontece nesta terça, dia 21, das 10 às 13 horas, com o tema RH e Sustentabilidade. O segundo evento, que irá apresentar os Indicadores Ethos para uma gestão sustentável, está programado para o dia 28 de maio, das 14 às 17 horas. Já o terceiro (dia 4 de junho, das 10 às 13 horas) terá como foco Direitos Humanos na Prática Corporativa e a proposta de debater os desafios corporativos no tratamento da questão.

Todos os eventos serão realizados na Uniodonto Campinas (Av. Brasil, 200).

Desenvolve Carreira

Em parceria com o CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola, a Regional Campinas também vai promover o I Desenvolve Carreira, que terá como tema Gerações X, Y, Z – Desafios, Oportunidades, Conflitos e Soluções. Com as participações dos consultores e palestrantes Eduardo Shinyashiki, especialista em desenvolvimento de competências de liderança, e Sidnei Oliveira, estudioso dos conflitos de gerações, o evento acontece no dia 28 de maio, das 14h30 às 20 horas, na FGV Campinas (Rua José Paulino, 1369).

Mais informações e inscrições: (19) 3294-3307 ou  regionalcampinas@abrhsp.org.br

{module compartilhar}

TEMAS EM DEBATE: Employer branding

O desafio de promover a marca como empregadores, por que é importante para Recursos Humanos mudar a relação com o público jovem e o uso de games como estratégia e ferramenta de seleção e atração de novos talentos serão os principais temas da palestra Inovando em Employer Branding, que será realizada nesta quinta, das 9 às 11h30, na sede da ABRH-SP.

Apresentada por Marcelo Egéa, sócio-diretor da consultoria Ser Total, a palestra também vai abordar a experiência do Global Management Challenge (GMC), competição internacional de estratégia e gestão realizada em 40 países. A Ser Total organiza a etapa brasileira do business game que treina os estudantes em diferentes competências, como trabalho em equipe, tomada de decisão, habilidades de influência e comunicação.

Egéa é psicólogo, com especialização em Administração de Empresas, e possui mais de 20 anos de experiência em gestão e desenvolvimento de Recursos Humanos, adquirida em empresas como Santista, Alpargatas, Merril Lynch e Blockbuster.

PEC das Domésticas

Já no dia 27 de maio, a ABRH-SP vai promover, das 8h30 às 12 horas, na sua sede, um debate sobre a PEC das Domésticas. O evento, que tem a coordenação do Corhale – Comitê RH de Apoio Legislativo, grupo ligado à Associação, contará com a participação de especialistas em Direito do Trabalho, que irão discutir as várias dúvidas decorrentes da PEC.

Inscrições: (11) 5505-0545 ou eventos@abrhsp.org.br

{module compartilhar}

INSTITUCIONAL: Portas abertas para os jovens

Desde agosto do ano passado, os estudantes de até 25 anos, de todos os cursos de graduação, podem se associar gratuitamente, pelo período de um ano, à ABRH-SP. O objetivo da entidade é dar aos jovens a possibilidade de participar de atividades com profissionais já atuantes, conhecer a realidade do mercado de trabalho e a verdadeira prática do RH. Até o início deste mês, cerca de 150 jovens se interessaram pela iniciativa, passando a integrar o quadro de associados da entidade.

Os estudantes usufruem os mesmos benefícios dos demais associados: têm participação gratuita nos eventos promovidos pela ABRH-SP, tanto na sede como nas Regionais Baixada Santista, Bauru, Campinas, Ribeirão Preto e Metropolitana São Paulo Oeste; podem se inscrever com descontos especiais em eventos de terceiros apoiados pela entidade; e passam a integrar a rede social People, que conecta os profissionais da área de Recursos Humanos de todo o estado de São Paulo.

Além de outras vantagens (mais informações estão disponíveis no site da Associação: www.abrhsp.org.br), eles também têm direito a 40% de desconto nas inscrições do CONARH ABRH, evento que este ano acontece de 19 a 22 de agosto no Transamerica Expo Center, na capital paulista.

A estudante Andresa de Campos, que é estagiária na área de RH da Dell Computadores e cursa a Universidade São Francisco, em Campinas, destaca também a possibilidade de participar dos Grupos de Estudo, atividade mantida pela entidade tanto na sede como nas Regionais. “Como me cadastrei faz pouco tempo, ainda não utilizei nenhum recurso disponível, mas acredito que a ABRH-SP vai me ajudar na carreira e contribuir bastante para o crescimento profissional.”

A colaboração para a carreira que a Associação pode dar aos jovens também atraiu a estudante Ana Carolina dos Santos Ramos, de 25 anos. Analista de RH da Cless Cosméticos, Ana Carolina cursa o último semestre de Gestão em Recursos Humanos no Centro Universitário Fieo. “Também me cadastrei porque estou interessada em saber o que acontece na área e para ter mais contatos com os demais profissionais de RH.”

Nem todos os jovens associados que aderiram à iniciativa, porém, atuam ou pretendem atuar na área de Recursos Humanos. Já se cadastraram estudantes dos cursos de Engenharia, Ciências da Computação, Direito, Matemática e até Filosofia. O objetivo na maioria desses casos é conhecer profissionais da área de RH que eventualmente possam selecioná-los para um emprego.

Esse apelo da ABRH-SP já foi tema de reportagem publicada recentemente no jornal Folha de S.Paulo. Sob o título “Aluno adere à associação de RH para ter mais chance de emprego”, a matéria citava, entre outros, o caso do estudante de Engenharia da Computação Guilherme dos Santos, de 21 anos, que disse que está ajustando a formação para concorrer a uma vaga de trainee e tem participado do Grupo de Estudo de Coaching da ABRH-SP.

Para a entidade, contar com a nova geração no seu quadro de associados também é importante pela renovação que os jovens representam. “A ABRH-SP tem procurado incentivar o trabalho e a capacitação do jovem que busca iniciar sua trajetória no mundo corporativo”, destaca o presidente Almiro dos Reis Neto. Nesse sentido, ele lembra também do trabalho da entidade na realização do prêmio Melhores Empresas para Estagiar, ao lado do CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola e da Toledo & Associados. A premiação reconhece, por meio de pesquisa, as empresas que melhor investem em programas de estágio em todo o estado de São Paulo.

{module compartilhar}

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!