Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

ARTIGO – A memória é curta

Há apenas alguns meses, assistíamos aos embates políticos pré-eleitorais e, neles, os “marqueteiros” usaram técnicas que chamaram de “desconstrução” da campanha dos oponentes. Em síntese, o ataque (“desconstrução”) incidia sobre as propostas do adversário, alegando que essas seriam recessivas, prejudiciais à classe trabalhadora e provocariam recessão na economia. 

Passados menos de um mês da posse, o Poder Executivo, sob comando da presidente reeleita, anuncia várias medidas que antes dizia (e prometia) não implantar, tais como: aumento da tarifa de energia elétrica; aumento dos combustíveis; aumentos de impostos (IPI, PIS/Cofins, IOF já anunciados); e revisão na concessão de benefícios à classe trabalhadora, como: 

  • • seguro-desemprego – exigência de tempo de trabalho para requerer pela primeira vez triplicou.
  • • pensão por morte – apenas recebida se o falecido tiver contribuído por 24 meses para o INSS; o cálculo também será revisto para 50% do salário de benefício, mais 10% por dependente, completando, no máximo, 100%; o benefício não será por toda a vida, sendo calculado conforme a idade do cônjuge beneficiário.
  • • Para as empresas, em relação ao benefício auxílio-doença, também houve alteração. Hoje, o valor é pago pelo INSS a partir de 15 dias de afastamento, mas passará a ser a partir do 31º dia, duplicando a despesa para as empresas.

 Mais recentemente, a presidente vetou o projeto de lei que reajustava em 6,5% a tabela de desconto do Imposto de Renda dos salários. Com isso, tirou dos assalariados aquela uma parte dos salários, pois, com o reajuste, aqueles que recebem até R$ 1.903,98 estariam isentos do imposto e, sem o reajuste, continuam a pagar imposto sobre o que for maior de R$ 1.787,77.

Além disso, investimentos em infraestrutura, no período governamental anterior (12 anos), aparentemente, inexistiram, o que nos traz à beira de colapsos no fornecimento de água e energia elétrica. Sofremos com racionamentos de água e apagões de energia elétrica.

A tão necessária reorganização e reestruturação do Estado, com a redução do número de ministérios (e seus incontáveis assessores que pouco contribuem), e ações para que as coisas não chegassem ao ponto em que estão, nem sequer foi aventada e tem poucas chances de sair, sangrando o erário público a cada dia.

Vamos, todos, empregados, empresas, o povo, enfim, pagar mais esta conta. Afinal, tem que pagar, pois foi ele quem deu causa a tudo isso. Será?

Resta-nos continuar a ver o sucateamento do parque industrial, a baixa reputação internacional dos nossos produtos (salvo exceções) e a perda de nossa competitividade principalmente para tigres, onças, leões e cobras asiáticos, que, há tempos, massacram muitos empreendedores nacionais, que, heroicamente, insistem em continuar seus negócios.

Resta-nos assistir às abruptas ondas de desemprego que já começaram a surgir, por exemplo, no caso das montadoras de automóveis, e às insistentes tentativas de negociação de condições e garantias aos afetados pelos desligamentos. Resta-nos acompanhar o dia a dia das movimentações públicas pelo passe livre e redução no preço das passagens de ônibus, metrô e trem, e a polícia soltando bombinhas.

Enquanto tudo isso acontece, continuemos a assistir a mais um capítulo da novela “Sangria na Petrobrás – o Lava a Jato”, sem se esquecer de outras que já assistimos, como: “Correios”, “Eletrobrás”, etc., em que, igualmente, o enredo se enveredava por atos e cenas de peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Outras virão! Pois é. A memória é curta! 

Carlos Silva é diretor Jurídico da ABRH-SP

 

Página Semanal ABRH-SP – 01 de fevereiro

{module compartilhar}

Comentários

Deixe uma Resposta

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?