Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Diversidade da vida real

É sempre bom reforçar que a diversidade acelera o desenvolvimento, a inovação e a prosperidade de uma organização. Essa afirmação está comprovada em pesquisas locais e globais que mostram como a inclusão pode ser lucrativa para as empresas. Apesar disso, na prática, o assunto ainda patina em muitas delas.

Para saber como a diversidade é sentida na pele por personagens da vida real e o que pode ser feito para que haja uma mudança de patamar, a ABRH-Brasil promoveu no CONARH 2017 – 43º Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas, realizado neste mês, um bate-papo mediado pelo ator e cantor Tiago Abravanel. Os participantes do painel Diversidade e Inclusão sob Olhar dos Personagens Reais – uma travesti, um cego, um negro e uma refugiada síria – têm algo em comum além da diversidade: souberam superar as adversidades e criar oportunidades para conquistar espaço e respeito no trabalho.

 

  • A baiana Edna Araújo Santos, “travesti ou transexual, como preferirem”, contou que, quando chegou a São Paulo – “a cidade das oportunidades” –, tudo o que queria era acordar de manhã com a certeza de que iria bater o cartão de ponto. Um sonho que demorou a realizar. “Durante oito anos, bati de porta em porta para arrumar um emprego. Passei por muitos RHs e sempre ouvia ‘o seu perfil não condiz com a vaga.’” Finalmente, há um ano e três meses, foi contratada como operadora de caixa pelo Carrefour. E, logo no início, passou por um evento que a marcou: o preconceito de um cliente, que deixou as compras no caixa e se retirou. “Fui profissional. Mantive a postura e continuei o meu trabalho. Como é uma loja de bairro, a convivência no dia a dia fez com que o preconceito fosse superado. Hoje, esse cliente entra na loja, conversa e brinca comigo, pergunta por que não passei batom”, orgulha-se.

 

  • Cego desde os dois anos de idade, Sergio Faria, executivo de TI da Accenture, contou que para ganhar espaço profissional aprendeu que era preciso “comer pelas beiradas” e, aos poucos, provar que era capaz de tocar um projeto sozinho. “Felizmente consegui fazer isso e, em diversas oportunidades, coordenei projetos de TI e dei treinamentos dentro e fora do Brasil.” Para ele, a inclusão vem das pessoas e é preciso que a sociedade seja inclusiva. “É só você se colocar no lugar do outro e pensar que ele gosta das coisas que você gosta e também tem direito às oportunidades que você tem”, enfatizou. E resumiu: “Inclusão é desejar a diversidade”.

 

  • Jovem, negro, nascido em Mascote, pequena cidade do interior da Bahia, Genesson Honorato mudou-se para São Paulo a fim de estudar. “Sem recursos, trabalhei como cobrador de ônibus e estudava na catraca”, explicou. Conseguiu entrar na faculdade de Psicologia pelo Prouni (Programa Universidade para Todos) depois de apostar com um amigo quem tiraria nota mais alta. Em 2012, nova conquista: foi aprovado no programa de trainee da L’Oréal para trabalhar no RH; hoje ele atua no Marketing Digital na companhia. Além da exclusão por conta da barreira financeira – “quando saí de Mascote, minha mãe mal tinha 12,50 reais para eu pegar o ônibus” –, Honorato enfrentou novo empecilho, já superado: o relacionamento no mundo corporativo. Na visão dele, a dificuldade deve-se ao fato de que, por décadas, as empresas tiveram equipes com perfis similares; com isso, hoje, embora se converse muito sobre diversidade e definam-se pilares para sustentá-la nas organizações, o relacionamento com o diverso ainda precisa ser trabalhado.

 

  • Já Muna Darweesh, refugiada da Síria, onde era professora de inglês, chegou ao Brasil em 2013 com os quatro filhos e o marido, engenheiro naval. O país era um dos poucos onde poderia entrar legalmente e sem dificuldade. Com a barreira do idioma, e precisando sobreviver, começou a fazer comida árabe, o que hoje garante a renda da família: sua fanpage no Facebook Muna Sabores e Memórias Árabes tem mais de 6,6 mil curtidas. Ela contou que, apesar do sucesso, sofre preconceito por seguir a tradição religiosa de sua família. “Muitos não entendem o fato de eu cobrir a cabeça. Costumo dizer que cubro meus cabelos, mas não cubro minha mente.” Embora tenha chegado ao Brasil há quatro anos, Muna ainda não se acostumou com a nova vida. “Nunca me imaginei nessa situação. No meu país, eu vivia em uma cidade pequena, cozinhava para o meu marido, cuidava dos meus filhos, eu era uma pessoa simples. Agora me pedem para contar a minha história, participar de palestras e dar entrevistas na televisão”, relatou em um português carregado de sotaque árabe.

 

 

Fonte: O Estado de São Paulo, 31 de Agosto de 2017

Comentários

    Deixe uma Resposta

    QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?