Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Presidentes de Empresa: Como veem o Brasil?

Parte das atividades do CONARH, o Fórum de Presidentes reuniu este ano 121 representantes de organizações. Em um encontro com o juiz Sérgio Moro, o ministro da economia Henrique Meirelles e o filósofo e educador José Bernardo Toro puderam levantar pontos importantes para o engajamento no proposto: o Brasil passado a limpo.

A consultora Vicky Bloch e a empresária Luiza Trajano trouxeram ao público do CONARH um resumo dos debates. Para Vicky: “Essa oportunidade consolidou-se como um dos importantes encontros das principais empresas atuantes no Brasil para debater a visão, expectativas, demandas e opiniões sobre a gestão de pessoas nos negócios”.

 

De acordo com Vicky, “Toro tem experiência, em outros países, de trazer à mesa partes diferentes para chegar a um caminho em comum para um novo país”. O que ficou como mensagem de provocação foi que “Você é o protagonista da sua história. Precisamos lutar contra a postura de espectador, contra o sentimento de que meu destino pertence a outro”, resumiu Luiza Trajano, que completou: “para ele, o Brasil é o principal país da América Latina. E ele, como muitos de nós empresários, acredita que a mudança vem através da educação. Quando igualarmos as chances de educação dos nossos filhos com a de todas as crianças do país”.  Toro, contou ela, ainda alertou os participantes sobre a diferença entre riqueza e dinheiro. “Riqueza é quando está movimentando a roda e dinheiro é quando você só acumula. Quando não está gerando nada para a população.” Para Luiza Helena, este é um ponto de reflexão para toda a economia

A participação do Juiz Sérgio Moro foi quanto à ética. “Ele acredita que estamos num círculo vicioso de falta de ética. E que não é exclusividade do Brasil, mas que aqui virou processo. Virou um paradigma. Nos acostumamos de uma maneira que algumas práticas estão tão incorporadas que parece normal”, relembrou Luiza Helena. “Ética é uma corda bamba que a gente fica se equilibrando. Tem que prestar atenção para não escorregar. A gente tem que lutar para ser ético. Transformar o círculo vicioso em virtuoso.”

O ministro Henrique Meirelles trouxe aos presidentes o que o governo planeja para recuperar a economia. E, quando questionado sobre o que poderíamos fazer para sair do caos, segundo Luiza, respondeu: “Pressionar o Congresso para que aprove o que precisa ser aprovado e não o que interessa a eles ser aprovado”.

Fonte: Folha de Alphaville – 19 de agosto de 2016

Comentários

Deixe uma Resposta

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?