Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Psicologia positiva nas organizações

Por Renata Abreu

Pessoas felizes têm melhor desempenho e potencializam resultados. Essas são evidências comprovadas por pesquisas no campo da psicologia positiva e da neurociência. Em um cenário organizacional, no qual o estresse acompanha cada vez mais as pessoas e os avanços da tecnologia aumentam a superficialidade das relações, o desafio é enorme para o RH interessado em mudar paradigmas e melhorar o bem-estar dos colaboradores.

Por essa perspectiva, podemos buscar na psicologia positiva práticas organizacionais inovadoras, direcionadas a suportar mudanças estruturais e a preparar líderes mais humanos, capazes de desenvolver e estimular uma visão mais apreciativa dos potenciais da organização e contribuir para que as pessoas se sintam mais saudáveis, felizes e dispostas a superarem desafios. Assim, sugiro cinco abordagens:

  1. Amplie a positividade

A positividade tem relação com intenções, atitudes e emoções positivas, como alegria, gratidão, generosidade, esperança e orgulho, que mudam a forma de o cérebro trabalhar. Pesquisas apontam como resultados o aumento da criatividade, da cognição, de capacidades interpessoais e de negociação e maior facilidade de tomar decisão e lidar com as adversidades.

  1. Capitalize fortalezas

Identificar e desenvolver as qualidades humanas, em vez de investir esforços para melhorar pontos fracos, é fator-chave para elevar os níveis de produtividade. Estudos mostram que os melhores resultados gerenciais surgem das estratégias de ênfase no sucesso, capitalização das forças e celebração das conquistas.

  1. Estabeleça um propósito comum e objetivos individuais

Pessoas engajadas em um trabalho importante para si têm melhores resultados. Isso ajuda a reduzir estresse, absenteísmo e turnover e a aumentar comprometimento, esforço, engajamento e satisfação. Algumas ações, como construir em conjunto uma visão de futuro, reforçar e divulgar os benefícios alcançados e associá-los aos valores pessoais dos colaboradores, podem ajudar a colocar essas metas em prática.

  1. Fortaleça o capital social

Relações genuínas e positivas fomentam ambientes mais colaborativos e contribuem para aumentar a resiliência e habilidade de adaptação dos colaboradores, ampliar a criatividade e melhorar o comprometimento com a organização. Parte desses resultados é explicada pela redução do estresse e melhora dos sistemas cardiovascular e imunológico.

  1. Contribua para saúde

Além dos exames médicos de rotina, exercícios físicos e boa alimentação, a prática de mindfulness, por exemplo, tem sido amplamente utilizada para reduzir ansiedade, depressão e irritabilidade, além de melhorar a memória e o vigor físico e mental.

Aos interessados em iniciar a jornada da felicidade nas empresas, sugiro que comecem fazendo o trabalho consigo para uma nova compreensão da magnitude de até aonde podemos chegar ao fomentar locais de trabalho que honrem a humanidade, promovam o sucesso sustentável e atinjam melhores resultados pela alta performance de equipes engajadas, com propósito, e, consequentemente, melhores níveis de bem-estar.

*Consultora organizacional, autora do livro Felicidade Feminina: Uma Escolha Possível com Práticas da Psicologia Positiva, coautora do livro Psicologia Positiva: Teoria e Prática e integrante do comitê de criação do CONARH 2018 – 44º Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas

Fonte: O Estado de São Paulo, 22 de Fevereiro de 2018.

Comentários

    Deixe uma Resposta

    QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?