Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

A CHANCE DE SABER COMO VOCÊ É PERCEBIDO

“Nem todos os gestores sentem-se confortáveis para oferecer todo o feedback necessário, por conta da exposição pessoal!” A declaração é deJorge Oliveira, gerente de Marketing, Vendas e Engenharia de Aplicação da Klüber Lubrication, empresa alemã de soluções para preservação de equipamentos mecânicos, com forte tradição em desenvolvimento de pessoas. “Alguns feedbacks são delicados e trazem questões difíceis. Um processo formal, estruturado e construtivo cria aquele momento para o líder mais recolhido e introspectivo se expressar”, completa ele.

Oliveira lidera sua equipe atuando mais como moderador. Claro que ele age com coerção e efetividade quando a situação é emergencial, porque isso faz parte do job description. “Temos uma equipe multidisciplinar, com formações diversas e de diferentes gerações – dos 20 aos 70 anos – todos trabalhando integrados. Há extremos de cultura e individualidade. Estar presente e compreender cada um é essencial”, completa o gestor.

Com formação em exatas –  Tecnologia Mecânica –, Oliveira fez especialização em Programação Neurolinguística – PNL na Universidade da Califórnia (EUA), com Robert Dilts. “Os conceitos de PNL são muito simples e dão entendimento diferente para os relacionamentos”, afirma ele, “às vezes, eu falava com uma pessoa e ela não se sentia bem com aquele tipo de comunicação, que funcionava muito bem com outra pessoa. Ao adaptar a forma de me comunicar com cada um, consigo me conectar mais efetivamente.”

Dois colegas de  trabalho dele  já fizeram curso de PNL e atuam, hoje, na linha de frente comercial. Oliveira destaca outro ponto: “no contato com os pares internacionais há um ganho muito grande, porque cada cultura tem um mapa mental completamente diferente. Facilita para fazer projetos com indianos, alemães e americanos, que têm expectativas, necessidades e também referências bem distintas. Compreender isso faz você se integrar de forma mais harmônica.”

É de se esperar que, em um cenário onde há muito espaço e muita autonomia, surjam ideias de todo tipo! Conseguir perceber que há ideias muito melhores que as suas, que podem gerar transformação, vai beneficiar a todos e, principalmente, ao líder. Falando assim, parece matemática elementar. No escritório, na fábrica e mesmo em casa, não é tão cristalino, porque entram em cena emoções primárias como insegurança e vaidade.

“Nesse modelo de liderança nem tudo dá certo. Alguma coisa ou outra pode falhar. Mas como eu e a empresa temos a ideia de que não há fracasso, quando algo dá errado, não há punição mas, sim, aprendizado. Procuramos criar um clima solidário e cheio de responsabilidade!”, finaliza Oliveira. Pode ser que você tenha se esquecido, mas estamos falando de vendas, uma área que costuma ser agressiva. Os números da equipe de Oliveira? Vão muito bem, obrigado. 

 

Fonte: Folha de Alphaville – 20 de fevereiro de 2015

{module compartilhar}

Comentários

    Deixe uma Resposta

    QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?