Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

OS CEOs ESTÃO DESAPONTADOS COM SEUS GESTORES DE RH

Em sua provocação, publicada na Harvard Business Review, Ram Charam afirma que executivos de RH não compreendem como é feita a tomada de decisão, são incapazes de atender às demandas dos CEOs, além de não entenderem de negócios e como o mercado funciona. Nessa linha de pensamento, profissionais de RH que passaram antes por outras áreas – finanças, vendas ou produção – entenderiam melhor as corporações. O que você acha? As opiniões de Charan não são nada dispensáveis. Ele é famoso por apresentar em seus livros – quinze até o momento­ – soluções factíveis e globais, com base no conhecimento adquirido durante 35 anos de estrada.

Esse artigo polêmico será o tema do encontro que acontece daqui a exatos sete dias na Fundação Getulio Vargas, promovido pela Regional Metropolitana Oeste da ABRH-SP. O tema está bem vivo nas discussões internas e entre empresas e, quanto mais abordarmos o core business do RH, mais argumentos teremos para rebater o papa do assunto, no momento certo, e provar para todos a importância da área.

Sem a intenção de questionar a formação de meus pares, digo que quem conseguir aliar a habilidade com pessoas à gestão de negócios é o cara!

A função aglutinadora do RH em relação à cultura corporativa e aos valores e o olhar neutro sobre a própria empresa contribuem para formar a identidade da organização.

Lembrei-me de um método que ganha força, conhecido como Management by Walking Around – gerir andando perto, quer dizer, quando o chefe põe a mão na massa e faz ele mesmo o trabalho. Essa metodologia ressalta a distância e o descompasso entre a cúpula e o restante dos funcionários e possibilita descobrir oportunidades difíceis de serem percebidas por quem fica trancado no escritório.

Parece que estamos dizendo para o profissional de RH fazer uma espécie de jornada dupla ou que ele tem de estudar em dobro, mas não é isso. O que o RH tem de fazer é observar com atenção como as outras áreas funcionam e ouvir mais. Assim, chegaremos ao ponto de sermos reconhecidos como área geradora de valor para as organizações, mas temos muito a caminhar ainda.

Como é importante ouvir e interagir, sugiro aprendermos ouvindo profissionais de outras áreas que chegaram ao posto máximo do RH como Matheus Cotta de Carvalho, do Banco Votorantim, e Luís Gustavo Vitti, da Heinz Brasil. Este último estará no evento no próximo dia 27. Espero vocês!

Por Mário Faccioni Junior

 

Fonte: Folha de Alphaville – 20 de fevereiro de 2015

{module compartilhar}

Comentários

Deixe uma Resposta

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?