Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

COLUNA MEDIAPOOL

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Só que muitos colegas de trabalho partem desse princípio e, pior: a reação é contagiosa. Pode servir de exemplo para outros que, antes, não se ofendiam quando simplesmente o líder pergunta: E aí, tudo bem?  Estabelecer diálogo efetivo entre líderes e equipes, entre colegas, com clientes, é a habilidade mais valorizada no mercado de trabalho. E a boa notícia é que pode ser aprendida e ensinada.

São muitos os comportamentos que impedem uma troca efetiva. Vamos resumir alguns aqui que, segundo George Kohlrieser – professor of Leadership and Organizational Behavior –, em artigo publicado por Daniel Goleman, são determinantes e, cá entre nós, fáceis de serem observados: se um dos lados está passivo, não há interação real. Faça contato visual e esqueça o telefone. Planeje suas palavras com cuidado. Pense em como ela vai reverberar no outro e cada outro é um. Afinal, o jeito de perguntar pode ofender, de que jeito aquele outro se sente mais confortável? Que abordagens funcionam melhor – com ele.

Finalmente, na conversa, evite o excesso de detalhes. Liste quais os que realmente importam para aquela plateia e comunique de forma concisa, mas se mantenha – realmente – aberto a perguntas. O que é ser conciso? Quatro frases. Esse é o máximo que as pessoas conseguem prestar atenção. Aliás, essa é uma ótima regra para agilizar reuniões. 

 

Fonte: Folha de Alphaville – 28/08/2015

VOCÊ NA ABRH-SP

Este espaço é seu, para que publique seu currículo e foto. Mande suas informações para contato@mediapool.com.br. Nas próximas semanas aproveitamos para apresentar os talentos recém-eleitos que comandarão a ABRH-SP, a partir de janeiro.

 

Theunis G. Baronto Marinho (presidente) – Administrador de Empresas. Conselheiro de administração e consultivo, coach & mentor para executivos. Trabalhou 28,5 anos no grupo Bayer. Foi diretor-presidente da Bayer Polímeros S.A. e general manager Latin America – Business Group Plastics. Na Bayer S.A foi diretor de RH e diretor geral de Finanças & Administração. Na Bayer AG-Alemanha foi business unit manager – iron oxide.

 

Alessandra Ginante (diretora) – Vice-Presidente de RH na Avon Cosméticos, é também presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Avon e professora de Arquitetura e Cultura Organizacional na Fundação Getulio Vargas.  Mestre em Administração de RH pela Universidade Mackenzie, concluiu seu MBA na EAESP-FGV com extensão na Universidade de Chicago.

 

Fonte: Folha de Alphaville – 28/08/2015

DIVERSIDADE: A SUA EMPRESA RESPEITA?

Lidar com pessoas muito diferentes é um desafio em qualquer ambiente. Saber respeitar o outro, com suas qualidades e diferenças, vai um pouco além da inteligência emocional: é uma atitude a ser cultivada.

Não, essa não é uma mensagem para o futuro. Beto de Jesus, consultor ad hoc da Txai Consultoria e Educação, na área de diversidade sexual, defende que a diversidade não é uma cota que precise ser preenchida, mas um caminho para construir um ambiente de trabalho saudável e produtivo. “Aquele que é diferente tem um plus interessante, mas eu no fundo acho que não serve para mim. Transformamos as diferenças em motivos para desigualdades e injustiças. Mas as pessoas trazem para o trabalho uma pluralidade de característica que desafia normas e padrões que antes eram impostos e obedecidos sem tantos questionamentos. E agora?”

Agora, até mesmo stakeholders não fazem negócio com quem não respeita a diversidade. Para ele: “temos provas de que ambientes inclusivos são mais inteligentes, não desprezam características e, com isso, não desprezam possibilidades e talentos. Favorecer a expressão da diversidade é uma forma de favorecer a participação de interações mais criativas e inovadoras, que refletem na identidade da organização. E, por isso, o RH tem total responsabilidade pelas pessoas”.

Majo Campos, diretora executiva de RH da Atento no Brasil, participante da mesma palestra no CONARH 2015, mostrou como produtividade e diversidade são valores que caminham juntos na empresa. “Quanto mais diferentes nós somos, maior a capacidade de atender todos os públicos. E, com esse pensamento, conseguimos a adesão de todo o board, porque o RH não teria força de, sozinho, sustentar essa atitude mais estratégica e mais colaborativa.”

Ela contou como, desde 1999, esse trabalho de integração foi incorporado à base de valores. “Problemas que nos envolveram meses, como a simples definição de como seriam os banheiros – quem usa o feminino quem usa o masculino– até que decidimos que cada um usa o que se sente bem. Outra definição: que nome colocar no crachá… Todos resolvidos com harmonia.”

A diretora diz que o respeito ao ser humano se reverteu na retenção de talentos. “Como você se sentiria sendo você mesmo, num ambiente onde ser diferente é muito interessante e legal?”

 

Fonte: Folha de Alphaville – 28/08/2015

Qual o RH de Alto Impacto?

A pergunta tem muitas respostas, mas Anna Tavis agitou  a plateia do CONARH 2015 com as questões que levantou.

 

Antes, cabe apresentar a palestrante: Anna Tavis é professora-adjunta da Universidade de Nova Iorque e um dos grandes nomes internacionais de consultoria organizacional e executive coach. “Estamos vivendo um tempo de novas perguntas ou, melhor, de novas perguntas o tempo todo. São muitas transformações acontecendo e qual o novo lugar do RH? Ou de qualquer profissional?” Foi assim que abriu sua fala – com dinamismo. E mostrou em um vídeo comparativo a velocidade das transformações nas mais diferentes áreas do nosso cotidiano.

“Ouvi muito sobre a situação do Brasil, nesse momento. E fiquei pensando: Não é uma nova situação. Eu mesma estava na AIG quando teve a crise financeira de 2008. Era uma situação de vida ou morte. Mas isso nos obrigou a reimaginar, redesenhar e reengajar. Essas são as habilidades que precisamos ter em nossas profissões.”

Tavis fez uma rápida retrospectiva para provar que ainda estamos presos na lógica de modelos do século XX, enquanto nossas ferramentas mudaram e, com isso, as funções de cada um. O RH era apenas administrativo, “no século XXI o RH tem que fazer a gestão do futuro, com o propósito de criar organizações incomparáveis, ou seja, ter como propósito a geração de alto potencial”, resume. “Mas, nesse caminho, só temos três escolhas: liderar, seguir ou sair do caminho.”

Então, segundo ela, as perguntas dos CEOs para o RH precisam ser:

Que capital humano precisamos para gerar resultados como nunca vimos antes? Como configurar a nova organização para que tenha grande capacidade de articulação? Por que atrair talentos é um desafio, mesmo com capital financeiro disponível? ” Você enxerga como essas perguntas podem mudar a sua empresa e a relação com seus colaboradores?

Entre os atributos que considera necessários para potencializar impacto, mapear o ambiente, dentro e fora, sempre colhendo feedback e de olho na reputação – também interna e externamente. Essa integridade precisa mais do que nunca vir acompanhada de transparência.

E a forma de recrutar tem muito a ver com os resultados que queremos colher. “Hoje existem diferentes ferramentas online que nos colocam à disposição todo tipo de informação sobre aquele candidato. Muitas são setorizadas por especialidade. Outras ferramentas mostram a participação desse indivíduo em comunidades, etc. E revelam muito das personalidades. Outro recurso eficiente no recrutamento – e igualmente no treinamento – são os games, que nos dão a chance de experimentar situações que podem acontecer, antes de impactarem nos negócios. E, principalmente, como reagem os participantes. Agora, conseguimos rastrear o que antes não conseguíamos. Temos que estar preparados para usar todos esses recursos.”

 

Fonte: Folha de Alphaville – 28/08/2015

VOCÊ NA ABRH-SP

VOCÊ NA ABRH-SP: nosso destaque de hoje é Roberto Pedroso. Ele é diretor executivo na Óptica Center e é diretor comercial da Associação Comercial e Industrial de Barueri. A forte atuação da Acib é a venda de informações de crédito, mas a grande revolução para todas as associações é a discussão dos entraves que cerceiam a atividade produtiva. Roberto é ainda diretor técnico no Instituto da Visão. Quer ter seu currículo publicado nesta coluna, mande as informações e foto para contato@mediapool.com.br.

 

Fonte: Folha de Alphaville – 14/08/2015

SUA CARREIRA TEM SUSTENTABILIDADE?

Sustentabilidade, mais um termo para quem está imerso nos dilemas da carreira e que se resume a uma questão que, de fato, tem relevância: como me preparar para me posicionar melhor?

 

Em um cenário de enxugamento e otimização de cargos, a melhor tradução do termo é “potencial de empregabilidade”, resume Américo Garbuio, coach e diretor da ABRH-SP, regional Sorocaba. “Essa deve ser uma preocupação individual contínua. Estar atento a me manter bem na empresa em que estou e, ao mesmo, tempo com competências e habilidades que facilitem a recolocação no mercado, se necessária.

Garbuio orienta a aproveitar toda oportunidade para ser protagonista de ações produtivas, aceitando novos projetos e desafios. “Sair da zona de conforto, mesmo. Não ficar preso exclusivamente ao job description e se preparar para exercer acima do nível atual e também olhar para os lados, ou seja, analisar como assumir funções que podem ser absorvidas pela sua área na reestruturação. Sempre com o compromisso da entrega em vista. Não basta promover o desenvolvimento individual. Ele tem que estar inserido e comprometido com o desenvolvimento da equipe. Diferencial importante.”

A postura de dono da própria carreira é mais que necessária, aconselha. “A sua carreira é sua. Não da sua empresa. Aproveite o que ela lhe dá de treinamento, mas haja por conta própria para complementar o que pode contribuir para a empregabilidade. Cultive interesses novos e aprofunde e atualize os antigos.” O projeto de carreira não pode olhar só o momento e o mercado atual, precisa também considerar aonde você quer chegar – daqui a, por exemplo, cinco anos. Qual é sua meta? Procurar essas respostas direciona os recursos que tornarão o objetivo viável. Você pode precisar de um professor de inglês ou de um coach de liderança… Como decidir o mais importante?

Para os pessimistas, que acham que o esforço não vai gerar resultado diante da crise atual, ele considera: “Qualquer desenvolvimento que você se proponha sempre vai ser útil. Quando o mercado estiver mais aquecido, você já estará maduro para dar o próximo passo”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MEdiapool: Daniela Vieira Cox

 

Foi demitido, e agora?

  

Primeira ação importante vem da sabedoria popular: Não tome nenhuma decisão de cabeça quente. Nada de grandes planos nos primeiros dias. Você precisa de tempo para processar o que aconteceu e “como você se sente sobre isso”. Enquanto isso, faça uma avaliação financeira. Detalhe seu orçamento familiar, separe o essencial do que agora é essencial. Envolva a família e outros dependentes nesse exercício.

Transforme a raiva e ressentimento em autoanálise. Converse com amigos e ex-colegas para entender o que você pode melhorar em uma próxima experiência. Trabalhar essa bagagem emocional, se livrar do coeficiente vítima, vai fazer com que você chegue mais maduro a uma próxima entrevista. O recrutador não quer saber de mágoas, quer saber de experiência e atitudes positivas. Trabalhe em uma explicação simples para a sua demissão, verdadeira, e ensaie várias vezes antes, para sintetizar. Fale de você mesmo com confiança.

Última dica: não saia atirando. Ao separar a lista de empresas que vai se candidatar, converse com ex-colegas e amigos que conheçam cada uma delas. Veja se você se encaixa no perfil e ajuste a linguagem ao da cultura da organização.

 

Agenda:

 

Semana que vem tem CONARH, esperamos você!

São muitas as atividades e separamos algumas aqui.

 

No primeiro dia, acontece a mesa A Arte de Liderar: Para Tempos Incertos, Líderes Inquietos.

Alessandra Ginante, vice-presidente  de da Avon, Luis Carlos França Duarte, diretor de RH e TI para América do Sul da Kordsa Global, e Renato M. Senna, líder da área de RH Internacional da Merck, vão debater o assunto que assola a atualidade.

 

No segundo dia, o encontro começa cedo, com sete grandes momentos, entre eles, um workshop prático para a criação de jogos de aprendizagem, avaliação e desenvolvimento de pessoas.

 

Dia 19, prepare-se para mais. Que tal: A Arte de Engajar e Encantar!, com Miguel Vives, SVP & country manager da The Walt Disney Company Brasil.

 

Quinta, último dia, destaque para: Inovação: O Poder de Aprender, com Claudio Sassaki, cofundador e CEO da Geekie. A moderadora será Márcia Costa, vice-presidente de RH e Comunicação da C&A.

 

Inscreva-se em: www.conarh.com.br

 Fonte: Folha de Alphaville – 14/08/2015

O que significa qualidade de vida no trabalho?

E QUE QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO É ESSA?

 

Você já ouviu falar de espiritualidade corporativa? Não tem nada a ver com religião, mas é exatamente esse jeito de conduzir a empresa que pode colocá-la no ranking das melhores para se trabalhar. E o que você pode fazer para colaborar?

 

O professor Randes apresentou, no último +Café&+Gestão, o resultado de uma pesquisa que aponta o que acontece quando você constrói o ambiente com ações que propiciam o desenvolvimento e a satisfação do funcionário.

 

Primeiro, ele coloca, em destaque, a posição do verdadeiro líder, sem ele nada acontece. Quem é esse “cara” nessa organização? Tem aquele que já ocupa o cargo formalmente, mas nem sempre é seguido. Tem aquele que não tem crachá de chefe ainda, mas é líder por natureza. Para ser líder com qualidade de vida o que ele precisa ter? “Ele precisa ter energização. Espiritualidade é esse sopro que mexe com quem está ao seu redor. Precisa contagiar os que estão à sua volta. Teoria e técnica são importantes, mas a mobilização se dá quando uma alma toca outra alma”, enfatiza o professor. “Tem que gostar de gente. Aliás, esse é um dos pilares da inteligência emocional: lidar com as emoções nos relacionamentos e registrar as situações sociais, com habilidade para negociar e interagir pelo bem da equipe. O que o seu concorrente não vai copiar da sua organização? Gente.”

Com esses líderes à frente, diz ele, vem o desafio da comunicação clara: “cada um sabe para onde o outro está indo, para onde vai e aonde a organização precisa chegar. Já visitei empresas em que o funcionário estava lá há 25 anos, não queria mais saber o que o outro estava fazendo. Era cada um no seu quadrado”.

A empresa espiritualizada enxerga a individualidade das pessoas. Cada um da equipe entende que a pessoa pode estar pensando em outras coisas, outros problemas que não só trabalho, outras necessidades. “Será que estamos tendo tempo para os nossos funcionários? No relacionamento com engajamento, eu curto, compartilho, encontro afinidades e interesses em comum. Ninguém sabe de tudo sempre, acabo dependendo do outro.” Ele relembra que o importante é incentivar o crescimento pessoal e o coletivo, ao mesmo tempo. Receita: bom desempenho com benefícios mútuos.

E o que faz com que eu considere a empresa um excelente lugar para trabalhar?

 Pela pesquisa apresentada, três fatores se destacaram: 19% dizem que é preciso concordar com os objetivos da empresa e ter orgulho de trabalhar nela; 23% dizem que é estar aprendendo cada vez mais e ter oportunidade de crescer. E, finalmente, primeiro critério com 29%: sentir-se satisfeito e motivado. A vantagem competitiva com relação à concorrência está nas pessoas, algo que, lá no começo, ele ressaltou que não há como imitar.

Com essas orientações em mãos, o professor faz um último alerta: quem sacrifica valores prejudica resultados.

 

Fonte: Folha de Alphaville – 14/08/2015

 

OPORTUNIDADE

 

Continuam abertas as inscrições para o III Desenvolve Carreira promovido pela ABRH-SP Campinas em parceria com o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) e Universitários Acima de Média. Com o tema “Onde estão as oportunidades”, a ação visa a impulsionar os jovens no mercado de trabalho. Entre os palestrantes, novos talentos e experientes líderes mesclam seus conhecimentos e revelam seus segredos para o sucesso ao público. São esperadas cerca de 300 pessoas entre empreendedores, gestores, profissionais de RH e jovens no início de carreira. Confira.

III Fórum de inclusão de pessoas com deficiência

 

 

Bloco I – Cases de Inclusão

 

Case de Inclusão Flextronics

Vania Nunes Silva

Diretora de Recursos Humanos da Flextronics Brasil

 


 

  
 

Case de Inclusão Flextronics

Lucrécia Medeiros

Gerente de Recursos Humanos de 03 unidades Flextronics, em Sorocaba


  
 

Case de Inclusão Magazine Luiza

Ivone Santana

Fundadora da Modo Parités, docente, consultora e representante no Comitê de Sustentabilidade do IDV e na Rede Empresarial de Inclusão Social

 
  
 

Case de Inclusão Senai Itu

Helvécio

 
  
 

Facilitadora

Luiza De Paula

Presidente do Instituto Rumo Inclusão  e Diretora de Sustentabilidade Social – ABRH-SP Regional Campinas
 
  

Bloco II – Regulamentação – Lei de Cotas

 

     

Dr.  José Carlos do Carmo

Auditor Fiscal do Trabalho no Ministério do Trabalho e Emprego (SRTE/SP)

 
  
     

Edith Maria Di Giorgi

Médica pediatra, vice-prefeita de Sorocaba–SP e Secretária de Desenvolvimento Social (Sedes)

 
  
     

Rodolfo Pimenta Casagrande

Gerente Regional do Trabalho e Emprego em Sorocaba (SRTE/SP)

 

 
  
     

Facilitadora

Marinalva Cruz

Coordenadora do Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (PADEF) da Secretaria  de Estado do Emprego e Relações do Trabalho (SERT)

 
  

 

 Bloco III – Atualidades

 

 

Mídia e Inclusão

Flávia Cintra

Jornalista, escritora, ativista dos movimentos sociais em defesa dos direitos das pessoas com deficiência, e repórter do programa Fantástico da TV Globo                                                                

 
  
 

Lei Brasileira de Inclusão (LBI)

Rafael Públio

Assessor do Gabinete da Deputada Federal Mara Gabrilli, responsável pela área de empregabilidade

 

 
  
 

Facilitadora

Renata Moeckel

Produtora e apresentadora dos boletins culturais na Rádio Ipanema, colunista no Jornal Ipanema e apresentadora do Café com Ela na ITv 24 Net

 
  

 

Atrações artísticas

 

 

Giovanna Maíra

Cantora lírica nacional e internacional

 
  
 

Mano Down

Idealizadores do Instituto Mano Down, composto por iniciativas artísticas em prol do protagonismo das pessoas com down e outras deficiências

 
  
 

Apae ou Íntegra

 
  

 

 

 

Inclusão de PCD – Fórum Sorocaba

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado será tema de fórum em Sorocaba

A Associação Brasileira de Recursos Humanos – Seccional São Paulo (ABRH-SP) promove seu terceiro Fórum “Pessoa com Deficiência – Além da Lei de Cotas”, em 23 de setembro. Depois de Americana e Campinas, Sorocaba será palco do evento, que abordará os pontos críticos da eficiência organizacional e produtividade, fundamentadas em competências e valorização da diversidade, indo além da simples contratação de pessoas com deficiência.

 

O evento é destinado a instituições públicas, privadas, não governamentais, educacionais, imprensa e demais interessados no tema, em um dia de atividades divididas em três blocos com cases de inclusão, regulamentações (lei de cotas) e atualidades, além de atrações culturais e almoço no local. Mais de 800 pessoas já participaram das edições anteriores do Fórum, na busca pela discussão e construção coletiva de conhecimento para a mudança e ação.

 

Profissionais renomados e influentes na área serão facilitadores nesse processo de troca, trazendo o que há de mais atual no tema. Alguns nomes já estão confirmados, como Flávia Cintra, jornalista, escritora, ativista dos movimentos sociais em defesa dos direitos das pessoas com deficiência e repórter do programa Fantástico da TV Globo; Dr.  José Carlos do Carmo, auditor fiscal do trabalho no Ministério do Trabalho e Emprego (SRTE/SP) e Marinalva Cruz, coordenadora do Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (PADEF), da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT).              

                                           

Serviço:

3º Fórum de Inclusão “Pessoa com Deficiência – Além da Lei de Cotas”

Dia 23 de setembro 2015, 4ª feira, das 8h às 17h                                                                            

Local: Floresta Convenções e Eventos, à Av. Três de Março, 2566, Sorocaba – SP

Inscrições (incluindo almoço): R$ 100,00 associados ABRH-SP e R$ 250,00 não associados                                                 

Mais informações: (19) 3294-3307 ou regionalsorocaba@abrhsp.org.br

 

Fonte: Correio Popular – 30/08/2015

Evento para jovens empreendedores

Abertas inscrições para evento que visa impulsionar a carreira de jovens empreendedores

 

A ABRH-SP Campinas em parceria com o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) e Universitários Acima de Média promove o III Desenvolve Carreira, em 15 de setembro, das 8h30 às 13h, na Câmara Municipal de Campinas. As inscrições estão abertas.

Com o tema “Onde estão as oportunidades”, a iniciativa faz parte de uma série de eventos realizados anualmente com o objetivo de aproximar o RH das empresas dos jovens da região e tratar de assuntos relacionados a esse universo tão rico, trazendo cases e dicas sobre carreira para esse público.

A dinâmica do evento inclui talks, jogos de negócios, apresentação de cases, palestra e debate. No final, os participantes ainda levam uma lição para fazer em casa. Gerente de Regionais da ABRH-SP, Roberta Nunes Barbosa explica que o tema da terceira edição busca mostrar aos jovens profissionais que as oportunidades podem estar além das empresas. “É uma ótima oportunidade de estimular as potencialidades de cada participante a fim de alcançarem seus objetivos”, diz.

Entre o público, são esperadas cerca de 300 pessoas entre empreendedores, gestores, profissionais de RH e jovens no início de carreira.

Mais informações:

Augusto Jr. – (19) 98246.3743 – jfgestao@hotmail.com

Roberta – (19) 98112-2803 – roberta@abrhsp.org.br

Rosangela – (19) 99774-0262 – rosangela_pereira@cieesp.org.br

 

Fonte: Correio Popular – 30/08/2015

 

Eleitos conselheiros para os próximos anos

Associados elegeram diretoria executiva e integrantes dos Conselhos Deliberativo e Fiscal para os próximos três anos

Na quinta passada, os associados da ABRH-SP elegeram, com 93,5% dos votos, os integrantes da Chapa RHumo Certo para formarem a diretoria executiva da entidade no triênio 2016-2018.

A partir de janeiro do próximo ano, a ABRH-SP terá como presidente Theunis G. Baronto Marinho (administrador de empresas), como vice Lilian Guimarães (executiva de RH) e como diretores: Alessandra Ginante (vice-presidente de RH na Avon Cosméticos); Edna Rodrigues Bedani (diretora de RH do Complexo Educacional FMU); Edna Vasselo Goldoni (diretora Comercial da Filial Prime da Admix); Guilherme Cavalieri (diretor de Desenvolvimento Humano para a América Latina da Serasa Experian); João Furlan (sócio-fundador da Enora Leaders); e o diretor nomeado Carlos Silva (sócio-diretor da Lesap – Consultoria Empresarial).

No mesmo processo eleitoral, que foi feito por meio eletrônico, os associados também elegeram os integrantes do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal para os próximos três anos. São eles:

Conselho Deliberativo

Titulares: Wolnei Tadeu Ferreira, Walter Barelli, Antonio Geraldo Wolff, Ana Maria de Freitas, Donizetti Moretti, Yara Leal de Carvalho, Ademir de Souza, César Gomes, Laerte Leite Cordeiro, Luciana Carvas, Clovis da Silva Bojikian, Inês Restier, Ruy Leal, Fernando Carvalho Lima, Arnaldo Mello Franco, João Marcos Varella, Elizenda Orlickas, Denise Lustri, Marcia Palmeira, Francisco Antonio Soeltl, Fátima Farias, Mônica Viveiros Correia, Carlos Prado, Marcos Nascimento, Augusto Furine, Ana Maria Paulo dos Santos Costa, Nelson Alvarez, Carlos Alberto de Queiroz Rebouças, Vera Ferreira e Claudio da Costa.

Suplentes: Silvio Celestino, Cirlene Barreto, Lauro Eduardo De Russi, Orlando Franzini, Tatiane Souza, José Augusto Figueiredo, Rita de Cássia Oliveira Maciel, Luciana Ferreira, Antonio Carlos Trujillo Rodrigues, Mário Faccioni, Roberto Martins, Carlos Roberto Vieira da Silva, Marcus Pastori Mesquita, Teresa Ribeiro, Vinícius Francisco dos Santos, Carlos Rubens Zacarias, Paulo Bastos, João Paulo Vergueiro, Valdir Gonçalves Baptista, Norberto do Carmo Filho, Luiz Eduardo Zaccharias, Claudemir Ozorio Alves da Silva e Luiz Carlos Andrade de Souza.

 

Conselho Fiscal

Titulares: Eliane Maria (Lia) Aere, Ronaldo Schwartzkopf e Claudio Pacheco do Amaral.

Suplentes: Orlando Mazzuli, Reinaldo Chaguri e José Pascoal Muniz

 

Fonte: Correio Popular – 23/08/2015

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?