Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

O RH e a transformação digital

O Impacto da Transformação Digital nas Pessoas e Organizações será tema do meetup que a Regional Sorocaba da ABRH-SP promove amanhã, das 18h30 às 22 horas, no Tear Coworking (Av. Sorocaba, 500), em Sorocaba. 
Leia Mais

2ª edição do RH Triple A

Já estão abertas as inscrições para a segunda turma do RH Triple A, programa que a ABRH-Brasil e a Fundação Dom Cabral criaram para, através de uma abordagem pragmática e vivencial, promover o desenvolvimento dos executivos de RH do país. A ideia é que, ao final, a partir da desconstrução de crenças limitantes, seja construída uma nova digital para o RH.
Leia Mais

Conheça o método Ikigai

Segundo uma pesquisa da Gallup sobre Estatísticas de Engajamento, apenas 15% dos empregados são engajados. Os desengajados, ou seja, aqueles que estão desencantados e frustrados com a empresa, e remam contra todo projeto proposto, somam 18%. Já os não engajados, que não estão contra a empresa, mas perderam o brilho nos olhos e fazem apenas a sua obrigação, compõem 67% do quadro de funcionários.
Leia Mais

Noroeste Paulista pretende levar a ABRH-SP para toda a região

Desde o início deste ano, a Regional Ribeirão Preto da ABRH-SP teve seu nome alterado para Noroeste Paulista. O objetivo foi incluir nas atividades promovidas pela entidade profissionais de grandes empresas localizadas nas cidades importantes que cercam Ribeirão Preto a fim de proporcionar mais oportunidades de trocas e contribuir para o crescimento da comunidade de RH na região. Como resultado dessa mudança, a Regional já mantém Grupos de Estudos nas cidades de São José do Rio Preto e São Carlos.
Leia Mais

Abertas as inscrições para os Grupos de Estudos do 2º semestre

Com o lançamento de quatro novos temas – Inclusão e Diversidade; Bem-Estar Corporativo; LAB – Comportamentos Empreendedores; e Experiências Educacionais Inovadoras na Prática –, foram abertas as inscrições para os Grupos de Estudos da ABRH-SP, que serão realizados na sede da entidade neste segundo semestre. São 11 grupos ao todo – dois deles matutinos e nove noturnos.

Ao utilizarem como metodologia a andragogia, que considera que o conhecimento está nos próprios participantes, os grupos utilizam um facilitador para integrar esse conhecimento. Os próprios integrantes escolhem o que será estudado nos encontros, que são mensais.

Para participar da atividade, é preciso ser associado da ABRH-SP; fazer uma inscrição prévia, que será confirmada por e-mail; e estar ciente de que deverá cumprir com pelo menos 65% de participação para receber o certificado e ter a possibilidade de publicar um artigo nesta página do jornal O Estado de S. Paulo.

TEMAS

Grupos Matutinos – 9h às 12h

Grupos Noturnos – 19h às 21h

(Para se inscrever CLIQUE AQUI)

Fonte: O Estado de São Paulo, 23 de Junho de 2019.

Workshop terá como tema a tomada de decisão

Voltado para gestores de pessoas, o workshop promovido pela ABRH-SP “Como é a tomada de decisão em termos de neurociência e resiliência?” está programado para 18 de julho, das 14 às 18 horas, na sede da Associação. Mestre e doutor em Psicologia, pós-doutor em “O Coaching Psicológico” e diretor científico da Sociedade Brasileira de Resiliência (Sobrare), George Barbosa será o facilitador do workshop, que tem como objetivos capacitar os participantes a entenderem conceitos básicos de como a neurociência fundamenta a resiliência, gerar conhecimento e familiaridade da aplicação prática na gestão de si mesmo e dos outros e exercitar a comunicação na gestão de pessoas.
Leia Mais

Lançada 3ª Pesquisa sobre o Papel do RH na Gestão e Resolução de Conflitos

“Um conflito mal administrado é um dos maiores geradores de prejuízos desnecessários, tanto para as organizações quanto para os indivíduos que nelas trabalham”, afirma Marc Burbridge, um dos integrantes do grupo de estudos de gestão de conflitos da ABRH-SP e especialista no tema. A relevância do assunto já foi demonstrada em diversas pesquisas realizadas por grandes instituições.
Leia Mais

Presidente da MetLife, Raphael de Carvalho, fala sobre tendências em benefícios e dos 20 anos da empresa no Brasil

Em 2017, a MetLife realizou pesquisas quantitativas online para o Estudo sobre Tendências de Benefícios para Funcionários no Brasil. Foram ouvidos mais de 300 empregadores, informando o que oferecem de benefícios aos funcionários, e 500 funcionários detalhando suas atitudes, opções e práticas atuais. Entre as principais conclusões do estudo, que é bastante extenso, está a de que aumentar a percepção de valor sobre o pacote de benefícios pode alavancar o engajamento dos funcionários no trabalho. Nesta entrevista, o presidente da MetLife, Raphael de Carvalho, fala sobre alguns tópicos da pesquisa, a liderança feminina na empresa e como enxerga o momento econômico do país.

GESTÃO DE PESSOAS – Os resultados da pesquisa apontam que, quanto mais o funcionário valoriza os benefícios, mais engajado e comprometido ele está em seu emprego. Como oferecer mais e melhores benefícios em momentos de baixo crescimento como o vivido atualmente no país?

RAPHAEL DE CARVALHO – É preciso ser mais criativo e se ajustar a pressões de margens mais apertadas, o que tem impacto na área de benefícios. Temos observado as empresas mais seletivas e focadas onde há percepção de valor. Por exemplo, antes havia benefícios universais, mas com baixíssima adesão dos funcionários. O que tem sido feito é ajustar para um grupo que realmente usa o benefício e diminuir para quem não usa. Dental é um caso clássico. Outro exemplo é o redesenho dos benefícios de seguro saúde. Porém, eliminação ou diminuição drástica de benefícios não temos visto. Uma tendência global é um pouco de flexibilização. Isso se fala há muito tempo, mas só agora é possível fazer melhor graças às plataformas de sistemas dos provedores.

GP – Outro tópico da pesquisa aponta que apenas 40% dos funcionários no Brasil disseram que sentem ter controle em relação às suas finanças. Outros dados mostram que o estresse financeiro afeta a produtividade. O que as empresas têm feito nesse sentido?

RC – Na MetLife, levamos bastante a sério a questão da educação financeira. O estudo fala que os impactos em produtividade e absenteísmo de problemas com dívida são mais relevantes a curto prazo que a programação com a aposentadoria. É um tópico importante. Entretanto, no Brasil, a educação financeira ainda é emergente, muito embora já até existam empresas locais, pequenas consultorias se organizando para prover esse tipo de serviço e procurando até seguradoras como parceiras para levar esse complemento aos funcionários.

GP – Braço filantrópico global da seguradora, a Fundação MetLife também investe em programas de educação financeira?

RC – Sim. Aqui no Brasil, por exemplo, fizemos uma parceria com os personagens do programa Vila Sésamo para falar de educação financeira em várias escolas de 16 estados do país, durante três anos. Fiquei positivamente surpreendido com o sucesso do programa, que tratava de madeira lúdica a importância do planejamento financeiro para alcançar os sonhos. Também estamos promovendo um concurso global para identificar e apoiar fintechs que trabalhem para a inclusão financeira.

GP – A MetLife tem se destacado nos principais rankings que apontam a valorização da liderança das mulheres nas empresas. Como isso acontece?

RC – Posso dizer que, em relação à questão de integração e não diferença de gênero para progressão da carreira numa empresa, nunca vi nada como a MetLife e estou aqui só faz quatro anos. A liderança feminina faz parte do DNA da organização, entrou na veia. Não é assunto nos nossos comitês, tanto que, atualmente, 60% da nossa liderança em todos os níveis é composta por mulheres. No total da empresa, elas são 66%. Talvez isso se explique também pela questão de a gente gostar muito de pessoas com pontos de vista diferentes para construir soluções melhores. Aqui discutimos ideias, não pessoas, e hierarquia não é ser dono da verdade. Portanto, há uma valorização da diversidade como um todo.

GP – Até agora as perspectivas mais otimistas em relação ao crescimento da economia não se confirmaram. Como o sr. enxerga o atual momento do país?

RC – Olhamos para horizontes de tempo mais longos, mas ficamos muito atentos às variações de curto prazo porque temos de fazer ajustes, tanto na tática quanto na estratégia. Acreditamos que o direcional do Brasil é bom. As decisões tomadas em relação à questão de maior liberdade de mercado são boas. Entretanto, como qualquer direcional, a trajetória pode ter percalços. Para falar a verdade, sou muito otimista. Só vejo o país melhorando quando você vê a fotografia de mais longe.

GP – A MetLife completa, em 2019, 20 anos de Brasil. Como o sr. avalia a presença da empresa no país?

RC – Enxergo a trajetória como bem-sucedida. Começamos do zero. Tomamos a decisão de não fazer aquisições, mas crescer organicamente. No início, aproveitando muito do que a MetLife já tinha como seu ponto forte fora do país, que era o seguro de grandes empresas e a relação com grandes corretores. A partir dessa base, entraram novos negócios, primeiro previdência, depois seguro dental. Hoje nosso foco são as Pequenas e Médias Empresas – quase um terço do faturamento da nossa carteira – e Pessoa Física.

Fonte: O Estado de São Paulo, 16 de Junho de 2019.

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH há um ano, as palestras que participamos na ABRH tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!