Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

1º de Maio

Um guia para ajudar quem precisa se recolocar no mercado de trabalho

 

Neste Dia Internacional do Trabalho, o jornal Gestão de Pessoas consultou três superespecialistas em recolocação para ajudar quem está à procura de uma vaga neste momento de desemprego em alta. Diretora da IMR – Coaching&Development, Iaci Rios compartilha um roteiro para ajudar os candidatos a se darem bem nas entrevistas de emprego. Já José Augusto Figueiredo, presidente no Brasil e vice-presidente executivo para América Latina da Lee Hecht Harrison, e José Augusto Minarelli, presidente da Lens & Minarelli, dão dicas e recomendações para aumentar as chances de recolocação.

Iaci Rios

Parte fundamental da conquista de uma vaga é se dar bem na entrevista de emprego e isso depende de como você se prepara para falar de você mesmo para o entrevistador. Não é preciso seguir este roteiro, mas tê-lo em mente ajudará a se sentir preparado, sem ter que improvisar na hora:

– Pense em que tipo de ambiente gostaria de estar em sua próxima ocupação. Tipo de empresa, trabalho mais interno, mais externo, tipo de pessoas com as quais gostaria de se relacionar, localizações possíveis, empresa mais estruturada, mais informal, etc.

– Reflita sobre qual tipo de trabalho desejaria realizar: de especialista (qual especialidade?), de apoio (qual tipo de apoio?), de pesquisa, de organização, de criação, de gerenciamento de projetos, de pessoas, etc.  

– Pense sobre quais as competências já possui para realizar este tipo de trabalho, neste ambiente (pontos 1 e 2): quais conhecimentos, habilidades, características pessoais possui e que o habilitam para o trabalho. E, ainda, por que seria importante realizar este trabalho, usando tais competências?

– Por último, que tipo de profissional você se sentiria/seria ao realizar este tipo de trabalho, usando essas competências, neste tipo de empresa ou ambiente.

 

José Augusto Figueiredo

– Por mais difícil e dolorida que seja a ruptura ou perda do emprego, é preciso ter calma para lidar com a situação, sempre considerando que a última imagem pode ser aquela que fica. Passado o primeiro momento, respire fundo e se supere, no sentido de construir uma explicação para a transição com seu ex-chefe ou superior. Lembre-se de que seu futuro empregador com certeza tentará falar com pessoas que o conheceram.

– Depois de encaminhadas as questões práticas com seu último trabalho, é hora de começar a refletir quem é você e o que você mais gosta! O que mais gosta significa o que faz bem, e isso é o que interessa para seus potenciais clientes. Seu mercado de trabalho precisa ser encarado como seus clientes, o que transforma você num fornecedor de soluções!

– Toda essa etapa é uma grande reflexão que depura o autoconhecimento e que aqui serve para balizar a comunicação com o mercado e mostrar suas intenções. Começar a se comunicar com amigos, ex-colegas, conhecidos e pessoas próximas aos seus alvos fará com que você se sinta melhor e em ação. Em paralelo, entender o que seus “clientes” precisam em termos de soluções, ideias e necessidades o tornará mais atraente em suas conversas.

 

José Augusto Minarelli

– Trate a procura do novo trabalho como um trabalho importante. Comprometa todo o seu tempo com isso, todos os dias. Faça um projeto e se dedique à execução. Você se sentirá melhor e aumentará a chance de ser contratado. É fundamental crer para ver. Se você adota atitude positiva, se mobiliza e acaba encontrando o que procura. Se acredita que está difícil e não vai encontrar, não se mobiliza e não encontrará.

– Mesmo com o mercado retraído, sempre existem oportunidades. Você precisa de um só emprego. E ele está em algum lugar. Se não encontrar emprego, procure trabalho. Lembre-se de que um profissional necessita, na essência, de ocupação e remuneração.

– Entenda que mercado de trabalho é um mercado, um lugar de gente procurando satisfazer as suas necessidades mediante uma troca. Portanto, aja mercadologicamente. Circule e “venda o seu peixe”, ofereça o seu trabalho como um provedor de solução e não como pedinte de emprego.

– Além do currículo, elabore cuidadosamente os seus argumentos de venda, seus conhecimentos, habilidades, experiências e benefícios que o contratante terá ao escolher você.

 

Fonte: O Estado de São Paulo – 01 de maio de 2016

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?