Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Como a Comunicação Não-Violenta ampliou meus resultados

Comecei minha jornada de desenvolvimento pessoal há mais de sete anos, mas, antes disso, meu foco era apenas em resultado que vinha através de competências e o “poder” de influência que achava que tinha. Eu sobrepunha minhas ideias às dos outros e não sabia como isso era prejudicial. Durante minha jornada de desenvolvimento, conheci ferramentas que me ajudaram a evoluir, mas a Comunicação Não-Violenta (CNV) ganhou destaque. A CNV trata de manter a humanidade nas relações. Seu foco é, durante um diálogo, atender às necessidades profundas de ambos. Minha grande descoberta com a CNV foi que não é o tom de voz que torna uma conversa violenta. Não precisa falar alto ou rispidamente. Basta julgar e punir o outro, de modo que ele sinta culpa, vergonha ou humilhação. Quantas vezes será que já fizemos isso sem nos dar conta? E tudo isso para garantir que alguma necessidade nossa seja atendida. E a necessidade do outro? Desde que conheci a CNV venho testando seus resultados. Percebi que, quando eu não a utilizava, era muito mais difícil chegar a um resultado satisfatório. A CNV traz quatro passos, o que facilita implementar o sistema na comunicação do dia a dia: Observação – trazer à tona o fato, sem nenhum julgamento. É manter a discussão sobre o fato e não opiniões. Sentimento – dizer como o fato causa sentimentos em você ou no outro. Considero esta uma das partes mais difíceis, pois não estamos acostumados a nomear sentimentos ou simplesmente admiti-los para não demonstrar nossa vulnerabilidade como seres humanos, o que de fato é essencial para humanizar nossas relações. Necessidades – qual a necessidade que precisamos atender que causa o sentimento identificado. Pedido – fazer um pedido específico para atender a esta nossa necessidade. De forma clara para que o outro entenda e possa cumprir. Com os quatro elementos da CNV fica muito mais fácil negociar quando o pedido não pode ser cumprido pela outra parte ou, de alguma forma, fere uma necessidade. O cerne da conversa passa a ser a necessidade não atendida do outro e juntos podemos trabalhar para que ambos consigam se satisfazer. Em nosso escritório tenho testado a CNV principalmente em conversas difíceis como estratégia e posicionamento da empresa, feedback e alinhamento de expectativas de entrega. Os resultados têm sido fantásticos. Digo isso porque o time se uniu ainda mais, está colocando em prática os acordos e passamos pelos conflitos de forma mais rápida. Por Regina Lucena, integrante do Grupo de Estudos de Comunicação Não Violenta (São Paulo)

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!