Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

ENTREVISTA

CIEE tem investido na ampliação e melhoria dos serviços para estudantes e empresas parceiras

O lançamento de novos cursos presenciais e de educação a distância e a intensificação das ações voltadas ao aumento de oferta de vagas são algumas das novidades a serem implementadas pelo CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola ao longo deste ano. A instituição também pretende estreitar seu relacionamento com a ABRH-SP, como explica o presidente do Conselho de Administração do CIEE São Paulo Luiz Gonzaga Bertelli nesta entrevista, em que também dá dicas preciosas para os jovens que estão em busca de uma vaga de trabalho.

 

GP – Quais as novidades do CIEE para este ano?

LGB – Especificamente no campo do estágio, temos três frentes de atuação. 1) Estamos aprimorando e ampliando os serviços prestados gratuitamente aos estudantes (lançamento de novos cursos presenciais e de EaD, ciclos de palestras, feiras estudantis, seminários, etc.) e intensificando as ações voltadas ao aumento de oferta de vagas. 2) Com relação às empresas parceiras, estamos estreitando nosso relacionamento, oferecendo cada vez mais e melhores serviços como contribuição à realização de programas de estágio de qualidade e dentro da lei (encontro com gestores, crescente número de serviços online, assessoria jurídica permanente, realização de recrutamento e processos seletivos, etc.). 3) No relacionamento com os governos, buscamos cada vez mais consagrar a segurança jurídica dos contratos de estágio e contribuir para que, numa próxima revisão para modernização da Lei do Estágio, os pontos controversos sejam aprimorados.

 

GP – Que ação podemos esperar para os próximos meses, que digam respeito diretamente aos gestores de RH?

LGB – O CIEE e a ABRH-SP realizaram na semana passada uma produtiva reunião destinada a estreitar parcerias, voltadas à realização de ações conjuntas nos muitos pontos de convergência da filosofia e de atuação das duas entidades. Entre elas, estão em pauta para serem mais bem detalhadas a promoção de seminários, palestras e outros eventos em cidades onda ambas tenham unidades e regionais; a promoção de um prêmio para as melhores práticas de estágio; ações específicas voltadas para a inclusão social e profissional de jovens em situação de vulnerabilidade; entre outros projetos.

 

GP – A crise econômica tem afetado a continuidade dos programas de estágio das empresas?

LGB – Evidentemente, dado o número de empresas que estão fechando no Brasil em consequência da crise, a oferta de novas oportunidades de estágio vem sofrendo alguns reflexos negativos. Entretanto, como uma parcela expressiva de contratos são feitos por órgãos públicos, o volume total vem se mantendo no mesmo patamar do primeiro semestre de 2015, quando registramos um crescimento de 4,5% em comparação ao mesmo período de 2014 – aqui considerando contratos de estágio e aprendizagem.

 

GP – Como o senhor avalia a qualidade dos programas de estágio da atualidade. E o que falta para melhorar ainda mais?

LGB – A nova Lei do Estágio entrou em vigor em 2008, trazendo vários avanços positivos, começando pela definição mais clara dos deveres e direitos das empresas e dos estagiários. Entre esses pontos, destacamos a gratuidade do atendimento ao estudante pelo agente de integração; a explicitação da autorização legal para o estágio do ensino médio; a autorização para que profissionais liberais autônomos (com registro nos conselhos de classe) possam contratar estagiários. Como ponto a aprimorar, o CIEE considera recomendável a reavaliação do prazo máximo de dois anos para a vigência do contrato de estágio na mesma empresa – restrição que poderia, em muitos casos, prejudicar uma futura efetivação pelo primeiro contratante –, bem como a limitação da jornada diária de 6 horas para estágio.

 

GP – Os jovens sofrem com a falta de emprego. Qual é a saída para eles no cenário atual?

LGB – Nossa recomendação é a mesma que fazemos para as empresas. O jovem deve se preparar para o momento em que a crise passar, quando o mercado de trabalho terá cada vez mais aquecida a procura por profissionais. A dica é ter bom desempenho na escola e no estágio, se estiver contratado. Se não contar hoje com uma oportunidade de estágio, deve continuar procurando. Sem esquecer que boas notas sempre ajudarão, assim como os cursos extraclasse que tiver realizado – lembrando que há muitas opções gratuitas na internet, como o Programa de Educação a Distância do CIEE (47 cursos), universidades nacionais e estrangeiras – e até realizar alguma atividade de voluntariado. 

 

Fonte: O Estado de São Paulo – 08 de maio de 2016

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?