Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Como lidar com os desafios da saúde mental nas organizações

Tema dos mais importantes e atual, a saúde mental em tempos de pandemia foi assunto do webinar realizado pela Regional Centro Oeste da ABRH-SP na última quarta, com as participações da médica Antonietta Medeiros, diretora da área de Gestão de Saúde e Bem-Estar e Gerenciamento de Risco em Saúde da Mercer-Marsh, e de Gledson Fonseca, gerente de Desenvolvimento Organizacional (Expertise Center) do Grupo Jacto e cofundador da Associação Anjos Guerreiros. Diretora de Eventos e Comunicação da ABRH-SP Centro Oeste, Patrícia Levorato foi a moderadora.

O principal fator impeditivo para promover a saúde mental dos colaboradores e da comunidade, de acordo com a dra. Antonietta, continua sendo o estigma que existe em relação ao tema. O primeiro passo, portanto, é falar sobre o processo e os fatores, e, assim, atuar mais fortemente e eficazmente em relação ao problema.

Segundo ela, os números e estatísticas têm mostrado o quão prevalentes são os transtornos mentais. O suicídio é a segunda maior causa de óbitos em adultos jovens, a depressão é a principal causa de incapacidade no mundo e será a primeira causa de adoecimento nos próximos anos. Na América Latina, o Brasil tem mais casos de depressão notificados e, quando falamos das Américas, perde apenas para os Estados Unidos. A cada dez afastamentos, cinco estão relacionados a questões emocionais. E, ainda, há o aumento de 30% nos últimos dez anos dos casos de uso de drogas, chegando a afetar 5,5% da população mundial.

“A saúde mental está relacionada à forma como as pessoas reagem às exigências do dia a dia, à capacidade de harmonizar ideias e emoções. Não é à toa que agora, nesse momento que estamos enfrentando, mais pessoas sofrem com transtornos afetando a saúde mental. Em função do novo coronavírus, fomos obrigados a mudar nossos hábitos abruptamente. De uma hora para outra, tivemos de fazer adaptações e isso, muitas vezes, leva tempo para que as pessoas possam se adequar às mudanças de forma ágil e rápida, o que causa ansiedade. Além disso, o próprio medo, o receio do incerto que o vírus está trazendo hoje geram certa ansiedade para todos nós”, destacou a médica.

Sobre os fatores de risco que afetam a saúde mental, ela destacou que não existe um único, somos complexos demais. Fora das organizações, os principais são as relações socioculturais e familiares; a situação econômica do país, que gera, neste momento, muita ansiedade e expectativa em relação ao emprego e salário; a insegurança gerada pela violência social e doméstica, que emergiu muito fortemente na pandemia; e a saúde financeira pessoal.

Já dentro das organizações, os fatores que podem afetar a saúde mental são o conhecimento das atividades laborais e das ferramentas adequadas para a realização do trabalho; o ambiente organizacional e como os líderes lidam com os colaboradores; e o quanto os gestores conhecem todos os produtos e serviços que a companhia disponibiliza para os funcionários para que, em um momento de identificação precoce de alguma alteração comportamental, possam indicar o tratamento.

O diagnóstico nem sempre é fácil. “Seria muito interessante empoderar os nossos gestores para que eles identificassem rapidamente que a alteração de comportamento daquele funcionário que passa a não produzir mais, passa a ficar mais apático e recluso socialmente, talvez esteja relacionada a uma situação que esteja causando transtornos mentais”, disse.

 

Controle do estresse no trabalho

Ela também falou sobre as medidas que podem controlar o estresse no trabalho, começando por mapear as áreas de maior risco, identificar aquelas pessoas que já estão com problemas e fazer a prevenção para que aqueles que estão em excelente performance não sejam afetados. Além disso, reduzir o estigma da doença, falando abertamente sobre o assunto, estabelecer a cultura de acolhimento e aferir e identificar fatores causais através de perfil, pesquisa de clima, dados de absenteísmo, entre outros.

Por fim, a dra. Antonietta compartilhou orientações práticas para que as pessoas quebrem o ciclo do estresse:

  • fazer intervalos regulares para quebrar o momento em que estamos passando por uma tensão ou sendo exigidos por uma determinada situação;
  • descobrir os gatilhos desencadeantes do estresse, porque é importante identificar que tipo de situação leva a ter um comportamento mais evasivo, exacerbado ou retraído;
  • não ser perfeccionista, porque a busca da perfeição é o pior que pode acontecer para pessoas que estão em uma determinada situação de tensão;
  • estabelecer limites para as atividades, com horários para começar e terminar de trabalhar, para descansar, para ficar com a família;
  • e, por fim, fazer uma coisa por vez para ter os compromissos resolvidos e não gerar estresse por ainda ter de fazer algo.

 

Superação

Ao compartilhar a sua história de vida, e de superação de grandes adversidades, como a perda da mulher ao dar à luz a gêmeos, e as graves sequelas enfrentadas pelas crianças, Gledson deu muita emoção ao webinar. De maneira sincera, ele falou de como teve de reorganizar a vida profissional e do acolhimento e apoio dado pelo Grupo Jacto nos seus momentos de maior dificuldade quando teve de ficar afastado por 90 dias depois do nascimento das crianças e quando passou a sofrer com transtornos mentais. Vale conferir o relato completo no canal da ABRH-SP no YouTube.

Fonte: Assessoria de Comunicação ABRH-SP (26 de Outubro de 2020)

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!