Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

O impacto econômico da pandemia no bem-estar das empresas

Ninguém no início de 2020 conseguiu prever o efeito devastador da pandemia, seja no colapso causado na saúde, no número de vidas perdidas ou na economia de países, empresas e trabalhadores pelo mundo.

No ambiente corporativo, muitas medidas foram adotadas para resguardar a saúde das pessoas e das empresas. O home office é um exemplo disso. O que era um estudo no início do ano tornou-se realidade, o que possibilitou a sobrevivência de muitos negócios.

Realizada pela ABRH-SP e publicada no início de 2020, ou seja, no começo da pandemia no Brasil, a Pesquisa sobre Bem-Estar Corporativo mostrava que as empresas tinham ideia de quais caminhos iriam tomar. Os mais votados pelos responsáveis de RH, por ordem, foram:

  1. Programas de educação financeira;
  2. Programas de saúde mental;
  3. Programas de incentivo à prática de atividades físicas;
  4. Orientação nutricional;
  5. Ginástica laboral;
  6. Voluntariado; e
  7. Home office.

 

Durante a pandemia, o que vimos foi o distanciamento físico das equipes, a preocupação com a comunicação, a produtividade, a saúde física e mental, a saúde financeira das empresas e dos colaboradores e a estratégia para a volta aos escritórios. O RH assumiu um papel de protagonista desde o início da pandemia.

O home office, que era a sétima prioridade, tornou-se essencial para a continuidade do trabalho. Outras ações voltadas à saúde mental, física e financeira também são opções do pacote de benefícios das empresas, visando à melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Não está fácil para ninguém. Com o dinheiro mais escasso no caixa das empresas, implementações foram adiadas e programas de bem-estar ficaram congelados. Em um país que, segundo a ONU, apresenta os maiores índices de afastamentos por problemas de depressão e Burnout, a pandemia expôs ainda mais a ferida, deixando claro a relação entre o impacto financeiro na saúde física e mental dos colaboradores.

Em todos os aspectos, a pandemia trouxe grandes reflexões, cuidados, adaptações e uma outra forma de avaliarmos nossos negócios. Positivamente, estamos empenhados em buscar “conforto” em nossas relações profissionais e segurança em relação ao que a pandemia nos mostrou ser frágil, e, o mais importante, qualidade de vida.

É certo que tudo vai passar. Para 2021 a projeção é melhorar a comunicação, a capacitação e a empatia entre as pessoas, o que formará “times” mais fortalecidos e unidos em busca dos objetivos e resultados das empresas.

 

Por José Roberto Falcone, integrante do Grupo de Estudos de Saúde e Bem-Estar Corporativo, de São Paulo (SP) 

 

São Paulo, 01 de Fevereiro de 2021

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!