Facebook Pageview

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

O que faz você feliz?

É certo afirmar que felicidade no trabalho é uma tendência. Existe uma ciência por trás do tema, que foi explorado pela ABRH-SP em um Grupo de Estudos. Foram apresentados conceitos e metodologias para criar estímulos, emoções e ações que inspiram a felicidade nas pessoas, sem contar a troca de percepções riquíssimas entre os participantes. 

 

Diante de todas as discussões, ainda ficou uma pergunta no ar: dinheiro traz felicidade? 

 

Segundo a frase do livro A Ciência da Felicidade, do especialista Luiz Gaziri, “A felicidade raramente está nas coisas que conseguimos contar facilmente como dinheiro, carros, roupas, imóveis, bolsas e sapatos”. Este princípio contrapõe a ideia de um modelo de sucesso imposto pela sociedade como fórmula para “obter / vender” a felicidade, pois a maioria das pessoas se compara e mede o sucesso através do dinheiro e fama obtidos. A verdade é que a felicidade não se obtém pelo dinheiro e fama. 

 

Estudos mostram que essa medição e comparação jamais serão satisfatórias. Ao contrário, tornam-se um ciclo vicioso chamado de “sacrifício da felicidade presente”. É como se todo o esforço e dor que se dão no presente justificassem um porto seguro ou conquista futuros que nunca chegam. Triste, não é? 

 

Sabe-se que a falta de dinheiro é a causa de muitas dores, está relacionada com o start de muitas síndromes e sintomas ligados à saúde emocional e impacta diretamente o nível de felicidade das pessoas. A boa nova é: não é somente através do “dindim” que se conquista a felicidade em sua plenitude, assim como não é o excesso de trabalho, dedicação, dinheiro ou bens materiais que a sustenta.  

 

A ciência mostra que 40% da nossa felicidade está relacionada às nossas escolhas. Isso comprova que um cheque em branco não a provê de forma eterna, mas é preciso usar cada centavo em experiências com impactos duradouros. 

 

Uns encontram a felicidade no amor, na gratidão, na simplicidade das coisas, porém para outros ela não é percebida, apesar de estar próxima. A rotina, a ganância, a falta de tempo, o estresse e a procrastinação afetam não só o nível de felicidade, mas também a saúde física, emocional, espiritual e até financeira. 

 

O objetivo do grupo não era achar uma fórmula mágica. Mas, de toda forma, os estudos apresentaram formas para encontrar a felicidade não só no trabalho, mas para todas as dimensões da vida. O que você pensa a respeito? Se você ou sua empresa preza pela felicidade dos seus colaboradores, confira o tema nos conteúdos, grupos e eventos da ABRH-SP. 

 

Por José Roberto Falcone e Roseli Falcone Ramos, integrantes do Grupo de Estudos de Felicidade no Trabalho 

 

São Paulo, 10 de Janeiro de 2022

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!