Facebook Pageview

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Seu estresse está fora de controle na pandemia? Transforme desafios em crescimento

Se você se sente estressado e esgotado nos tempos atuais de pandemia, você não está só... pesquisas comprovam que o COVID trouxe muito sofrimento psíquico decorrente do isolamento social, crise econômica e famílias estressadas convivendo 24 horas por dia. Como desarmar essa bomba-relógio e transformar estresse em oportunidade de crescimento? Continue lendo...

As estatísticas são assustadoras: mais de 72% da população tem alguma sequela de estresse e 30% sofrem de um estresse crônico e esgotamento nervoso, o burnout. Quem sofre de Burnout trabalha, em média, 5 horas a menos do que funcionários livres da síndrome.

O estresse é uma reação natural do corpo diante de uma ameaça ou desafio, quando o corpo demanda mais energia para enfrentar o inimigo ou fugir dele. Desde os nossos antepassados, tínhamos sempre que escolher entre caçar e enfrentar o risco de sermos feridos por predadores ou ficar em casa e morrer de fome...

Não temos mais um leão nos esperando lá fora, mas ainda temos desafios reais e psicológicos que precisamos enfrentar para viver, e em tempos de pandemia precisamos mais que nunca aprender a lidar com o estresse sem adoecer, para cuidarmos de nossa vida, de nossa família e trabalho.

O estresse é natural e inclusive desejável em certa medida. Se você não tem desafios, sua vida seria um monotonia e tédio e você provavelmente adoeceria, ao ver suas habilidades serem sub-utilizadas e não serem desenvolvidas sob o crisol dos problemas cotidianos.

O estresse na medida certa é chamado de “eustresse”: ele te motiva a sair da zona de conforto para estudar para mudar de carreira, passar num concurso e abrir ou mudar seu negócio para atender novos clientes, aproveitando sua paixão e talentos, mesmo correndo o risco de não dar certo.

Por outro lado, a sobrecarga de estresse, acima de nossas forças e somada a uma sensação de falta de controle sobre a situação, literalmente mata nossos neurônios e nos adoece, e a sobrecarga gera ansiedade e, no longo prazo, nos exaure, doença chamada pela psiquiatria de “burn-out”, literalmente, ”consumir-se”, além de estar associada com aumento das taxas de transtornos de ansiedade e depressão.

Como lidar com o estresse nesta pandemia?

Antes de mais nada, aceite que é uma situação passageira, fora do comum, e que nenhum de nós estava preparado para esse desafio de teletrabalho, recessão financeira e riscos de saúde. Tenha paciência com você, e vá com calma. Certamente teremos que aprender novas habilidades, mas vamos nos adaptar com o tempo. Respire fundo e se abra ao aprendizado diante dos novos desafios.

Pratique o minimalismo. Foque no essencial. Todos temos muitas preocupações, mas nossa zona de influência é limitada. Menor ainda é nossa zona de contribuição: quais são as poucas coisas que sabemos melhor que a maioria e nas quais podemos contribuir ao máximo.

Defina as atividades que são importantes e urgentes e quais são aquelas que são urgentes para os outros, mas não são sua responsabilidade. Procure ser assertivo ao questionar a pauta de uma reunião que parece sem objetivo e veja se sua presença realmente é necessária e irá agregar aos outros e a você. Aprenda a dizer não de forma educada e com diplomacia.

Faça pausas curtas a cada 45 minutos de atividade “focada”. Nossa atenção e foco funcionam em “tiros” curtos, depois disso tendemos a nos dispersar naturalmente. Respeite os ritmos de repouso e atividade de seu corpo. A cada 45 minutos de trabalho, dê uma parada para beber água, dar uma volta por aí (mesmo ao redor do apartamento – risos) – e fazer algo que goste. Precisamos dessas pausas para nos recompor e retomar o foco.

Procure dedicar tempo na sua agenda semanal e diária a práticas que são importantes para você mas não são urgentes: praticar atividade física, meditar, caminhar na natureza, passar tempo de qualidade com sua família e amigos, praticar um hobbie, se aperfeiçoar na sua carreira e outras atividades que irão te desenvolver e gerenciar sua energia.

Mude sua forma de pensar da mentalidade fixa para a mentalidade de crescimento. Segundo a autoria Carol Dwec, do livro Mindset, existem estas duas formas de pensar, uma, da pessoa com a síndrome “Gabriela”, do “eu nasci assim, vou ser sempre assim”, que tende a se acomodar no que já sabe e que acredita que problemas devem ser evitados porque são um enorme risco de parecermos incompetentes e fracassados, enquanto que outras, as que abraçam a mentalidade de crescimento, encaram cada problema e desafio como uma musculação para desenvolver suas forças de caráter e competências.

O problema é as pessoas de mentalidade fixa geralmente lidam pior com os desafios e crises, se estressando mais cronicamente e adoecendo, enquanto que as de mentalidade de crescimento tendem a se recuperar melhor de crises, e saindo mais fortes. É uma escolha: decida aprender e crescer com os desafios, já que estes são inevitáveis e parte do jogo.

Não siga sozinho. E por fim, não siga nesta estrada turbulenta sozinho: procure amigos, cultive redes de relacionamento em seu trabalho – mesmo a distância – e entre seus conhecidos. Não espere a situação piorar para procurar alguém, se antecipe procure agora mesmo se interessar pela vida dos outros, ligar nos aniversários, acompanhar as promoções das pessoas no Linkedin. Fazendo isso, você aumentará a probabilidade de que as pessoas estejam disponíveis quando você precisar delas.  E vai tornar você mais imune às crises: pessoas com rede de apoio são mais felizes e resilientes.

Espero que com essas dicas você possa transformar seu estresse amargo – os limões da vida -  numa ótima oportunidade de crescimento.

Por Emerson Andrade Pacheco, facilitador no Grupo de Estudos Lab Competências do Futuro, de São Paulo

São Paulo, 19 de Julho de 2021

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!