O setor de Recursos Humanos passa por transformações. A principal delas, segundo a pesquisa “O Cenário do RH no Brasil”, é a inclinação de retorno ao trabalho presencial e a redução do trabalho remoto. Os resultados divulgados pela ABRH-SP revelam uma mudança significativa, quando comparados à edição anterior do levantamento.

Em terceira edição, “O Cenário do RH no Brasil” foi realizado em 2023 pela ABRH Brasil, em conjunto com a Umanni, empresa especializada em tecnologia e gestão de desempenho. O levantamento que ouviu 898 profissionais oferece um panorama do Recursos Humanos no País, incluindo a importância do setor no contexto empresarial, as transformações a partir da pandemia, os principais avanços relacionados à tecnologia e automação, além de planejamento e estratégias, entre outros aspectos.

“A transformação mais significativa no setor de Recursos Humanos revelada pelos dados é a tendência de retorno ao trabalho presencial e a redução do home office”, avalia Eliane Maria Aere, presidente do Conselho da ABRH-SP, diretora da ABRH Digital e CEO da Umanni.

A maioria das organizações participantes do levantamento segue o formato 100% presencial (49,6%). Já o home office integral (4,2%) teve uma significativa redução comparada à pesquisa anterior, onde estava presente em 23,9% das empresas.

Se o trabalho remoto permite aos colaboradores melhor gestão de tempo e mesmo economia em deslocamentos ao escritório, o home office tem suas desvantagens. Uma delas é a menor interação com os colegas.

Além da predileção pela execução do trabalho em regime presencial, a pesquisa ABRH Brasil/Umanni revela que 46,2% optaram pelo regime híbrido. Realizado em parte no escritório e em parte fora deste ambiente, um dos benefícios nesta forma de prestação de serviço é a flexibilidade, que se alinha à qualidade de vida, tão valorizada por lideranças e colaboradores.

Para Eliane, embora a prerrogativa de alteração do modelo de trabalho, do ponto de vista jurídico, seja do empregador, é importante que a organização desenvolva processos para a adaptação de seus funcionários. “Quando ocorre a contratação, se estabelece a forma da prestação do serviço. No entanto, a empresa pode mudar a modalidade de trabalho se considerar necessária”, observa. Mas, segundo a presidente do Conselho da ABRH-SP, cabe ao empregador comunicar adequadamente a mudança a seus colaboradores. “Sempre é recomendável que qualquer alteração seja previamente acordada entre ambas as partes”, conclui.

Fonte: Assessoria de Comunicação ABRH-SP (15 de abril de 2024).