Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

35º Fórum do GERH

Fórum do GERH vai debater os impactos da revolução tecnológica, econômica e social sobre o mundo do trabalho

 

 

Vivemos em um mundo cada vez mais imprevisível, cada vez mais dependentes da tecnologia e com mudanças significativas que provocaram impactos relevantes nas relações de trabalho. Diante desse quadro, estreitaram-se as fronteiras entre o pessoal e o profissional e as pessoas passaram a ser mais integradas, ocasionando maior informalidade nos ambientes organizacionais. Será que as empresas têm acompanhado essas mudanças? Poucas. A maioria delas ainda está submetida a processos e políticas estruturados com base nos modelos mentais do século passado e encontra dificuldades para realizar a transição para o novo contexto.

Essa discussão é o foco da 35ª edição do Fórum promovido pelo GERH, um dos mais tradicionais grupos informais de Recursos Humanos do país, que terá o tema central: Impactos da revolução tecnológica, econômica e social sobre o mundo do trabalho. A edição 2015 do evento anual acontece entre 2 e 3 de outubro no Valinhos Plaza Hotel, no interior de São Paulo.

“Estamos diante de uma incógnita em relação a esses impactos e acreditamos que podemos obter algumas respostas durante o evento”, afirma Darci Garçon, integrante do GERH. Ele destaca o formato do fórum, que sempre permite uma participação maior do público, e a vocação do GERH de aprofundar as discussões como diferenciais do evento.

“Temos muitas coisas acontecendo absolutamente inéditas e que, de certa forma, atropelam as empresas. Elas estão vivendo uma série de paradoxos. Um deles é dizer que o trabalhador é investimento, mas insistir em tratá-lo como custo. Principalmente quando ocorre uma crise como esta pela qual passa o país, a primeira saída é cortar os custos. Outro paradoxo é querer criatividade dos colaboradores, mas sem abandonar o autoritarismo taylorista que não deixa as pessoas pensarem”, analisa José Emídio Teixeira, um dos integrantes do GERH responsáveis pela programação.

 

Para Teixeira, é preciso entender que temos pessoas diferentes daquelas de antes, tecnologias que criam circunstâncias diferentes das anteriores e uma realidade econômica também diferente. “Isso tudo exige que as empresas repensem seus métodos e elas não estão fazendo isso. Continuam aperfeiçoando a coisa velha”, alerta.

Programação

O Fórum terá as participações do consultor e palestrante César Souza, que vai traçar na abertura do evento um cenário sobre o mundo em que vivemos e seus desafios; do consultor e educador Eugenio Mussak, que, ao lado da professora do Insper Leni Hidalgo, vai abordar como lidar com essas mudanças; e dos executivos de Recursos Humanos:  Alessandro Bonorino, vice-presidente de RH da IBM Latin America;José Fernando do Valle, diretor de RH da 3M do Brasil; Johannes A. Castellano, diretor de Pessoas e RH da Adama Brasil; e André Rapoport, diretor da consultoria Right Management.

Outro destaque da programação é a mesa redonda voltada para as relações de trabalho nesse novo contexto, com as participações de Rafael Cervone Netto, presidente da ABIT – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção; Helio Zylberstajn, professor sênior do Departamento de Economia da FEA-USP; e Ricardo Patah, presidente da central sindical União Geral dos Trabalhadores. Eles vão debater como organizar um novo contrato social, qual deve ser o espaço livre para manifestações dos trabalhadores, como fazer com que os resultados sejam distribuídos entre patrões e empregados, e como regulamentar, de comum acordo, as relações de trabalho nas empresas, entre outros temas.

 

Inscrições: comercial@parceira.com.br (diferentemente dos outros anos, o GERH está cobrando uma contribuição de R$ 200 pelas inscrições para cobrir as despesas)

 

Fonte: Jornal Estadão – 06/09/2015

 

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?