Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Os impactos da reforma sindical na área de Recursos Humanos

A reforma sindical, que está sendo arquitetada pelo governo federal e deverá ser apresentada em breve, e suas consequências para empregados e empregadores, principalmente para a área de RH, foram tema do evento Reforma Sindical – O que vai mudar?, que o CORHALE, braço legislativo da ABRH em todo o Brasil, realizou na última quarta, na sede da ABRH-SP.

Diretor Jurídico da ABRH-SP e coordenador do CORHALE, Carlos Silva foi o mediador do debate, que teve as participações de Eduardo Pastore, consultor na área das Relações do Trabalho da Fecomércio/SP; Fabiano Zavanella, membro da Comissão Especial de Direito do Trabalho da OAB SP; e Mário Bittencourt, atualmente sócio-diretor da BBCA.

Pastore fez uma apresentação em que falou das discussões anteriores sobre a reforma, que começaram em 2013 com o Fórum Nacional do Trabalho, e das mudanças que podem ocorrer com o projeto do governo atual: “A principal alteração deve ser a mudança de um modelo de unicidade sindical para um modelo de pluralidade. A questão do custeio dos sindicatos também deverá continuar sendo voluntária por meio da contribuição espontânea”.

Na avaliação de Pastore, a adoção desse novo modelo exigirá uma participação muito mais intensa do RH nas negociações. “A área também terá o papel de conter o ímpeto da empresa de achar que pode fazer tudo. O empregador não pode enxergar essas mudanças como uma oportunidade para vilipendiar direitos”, alertou Zavanella. Por outro lado, para ele, os sindicatos não podem ser uma entidade de cofres cheios e assembleias vazias.

Já para Bittencourt, o RH terá um papel fundamental na educação e orientação dos demais funcionários em relação às mudanças. “Será uma transformação difícil e complicada, e não vai ser uma tarefa fácil para nós de RH”, reiterou. Entretanto, para Pastore, a reforma sindical pode ser encarada como uma oportunidade para todas as partes reaprenderem a negociar juntas. “O capitalismo se faz saudável pelo confronto”, lembrou.

Fonte: O Estado de São Paulo, 17 de Novembro de 2019.

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!