Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

2018, o ano do protagonismo

Facilitar para que, se podemos dificultar? Para que realizar, se podemos culpar os outros? Conversar abertamente por quê, se podemos criticar veladamente? Para que agilizar, se podemos procrastinar? Experimentar, jamais! Tenho como alternativa dizer “não quero” ou “não gosto”. Em todos os casos é mais fácil evitar ou não fazer. Ah, a zona de conforto é mesmo deliciosa! Porém, no que se refere a resultados e performance, nem sempre é o mais apropriado. Aliás, na maioria das vezes, não é. Ao que parece, existe uma força que nos leva continuamente a reclamar dos resultados que não aparecem, dos desejos que não se concretizam, das dificuldades que surgem, das pessoas que pensam  e agem diferentemente do que queremos e acreditamos, do tempo que não temos… E aí existem dois caminhos: o de se conformar e o de agir. Ouço comumente frases que expressam, segundo entendo, o conformismo em toda a sua essência – “as coisas são assim mesmo, se não aconteceu, é porque ainda não era hora”, “deixa acontecer naturalmente, uma hora isso vira realidade” e a campeã de todas: “amanhã é outro dia e aí eu faço”. Ledo engano. Procrastinar é um dos maiores, senão o maior, ato de autossabotagem que pode nos acometer. Não raramente, traz sentimentos que podem nos aporrinhar – e, consequentemente, as outros também – por dias, semanas, meses e, em alguns casos, anos. Como dizemos coloquialmente, é um “mimimi sem fim”. No outro extremo há o caminho da ação, do fazer acontecer. Escapar da zona de conforto traz desafios, escolhas e renúncias. É premente ter coragem, perseverança e, sobretudo, disciplina. E, como prêmio, invariavelmente, nos é concedido o direito a comemorar, de entusiasmar-se  e sentir-se bem consigo mesmo. Peço a você que pare alguns instantes para refletir sobre algumas questões. Certamente, já nos deparamos com situações em que, sem esperar pelo acaso, nos empenhamos em fazer com que as coisas aconteçam. Você se lembra de algum momento assim? Qual foi o sentimento? O que o impede de fazer novamente? Na maioria absoluta das vezes, não estamos falando sobre recursos financeiros ou externos, mas daquilo em que acreditamos, queremos realizar e como encaramos o mundo. Pessoalmente, acredito que uma grande parte do caminho para usufruir de momentos felizes está na proatividade. Ser proativo significa fazer o melhor, conhecer e utilizar seus pontos fortes, entender e respeitar suas limitações, antecipar necessidades e desejos – seus e das pessoas que estão a sua volta, como família, amigos e clientes –, e, acima de tudo, AGIR. Ser proativo significa parar de resmungar e dar o seu melhor em tudo o que faz. Parar de olhar os defeitos do outro e se conscientizar do seu papel. Lembre-se de que o que se pode fazer em relação ao outro é empatizar, respeitar e buscar auxiliá-lo. Mas, querer por ele, infelizmente, não dá. A proatividade nos leva a assumir as rédeas, entender que teremos obstáculos e dificuldades, mas que buscar alternativas para contorná-los é parte do processo. Preparado para isso, colherá o melhor: ser protagonista, crescer, aprender, mudar e evoluir. Ter a certeza de que valeu a pena ter enfrentado a zona de conforto para fazer mais e melhor. Com certeza, os resultados virão, assim como a satisfação de tê-los alcançado, como prêmio à nossa dedicação. Menos “mimimi” e mais ação, esse é o lema. Certa vez, John Kennedy, em um discurso, disse: “As mães querem que seus filhos sejam Presidente da República, mas não querem que eles sejam políticos”. Fazendo uma analogia, digo que as pessoas querem ocupar posições de liderança. Raros são, porém, aqueles que estão dispostos a ter a firmeza, disciplina, coragem e atitude necessárias para que isso se torne realidade. Ao sucesso, protagonistas.
 *É sócio-diretor da Cenarium Training e Coaching e integrante do comitê de criação do CONARH 2018 – 44º Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas

Fonte: O Estado de São Paulo, 25 de Janeiro de 2018.

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!