Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Relacionamento profissional: competição ou parceria?

Quantas vezes você já se viu nessa situação: ao conversar com seu chefe, ele ressalta as qualidades de um colega de trabalho seu, dando a entender, inclusive que o tal colega deseja ocupar o seu lugar?

Certamente, você já vivenciou esse tipo de acontecimento no ambiente corporativo. Essa é uma estratégia de liderança que já foi praticamente uma regra dentro das organizações, funcionando como um teste de lealdade com os funcionários e também visando produtividade, lucro e alta performance das equipes.

Colocar uns contra os outros, na empresa, no entanto, tem sido uma das táticas mais perigosas, uma vez que num ambiente de trabalho ruim, os departamentos se isolam, não compartilham informações e não auxiliam nas operações, impactando o desempenho de toda uma corporação no mercado.

De acordo com Marcia Vasconcellos, psicóloga e coach, há 27 anos, a forma mais atual e eficiente para tratar situações como essa é lançar mão do Shadow Coaching, uma consultoria profissional que, pelo acompanhamento presencial e in loco, é possível analisar o comportamento e a interação do líder com sua equipe, e sugerir a partir daí, estratégias para a equação dos problemas.

 “Traçando um panorama real do ambiente de trabalho, o gestor pode trocar a competitividade pela promoção das qualidades individuais de cada colaborador e a partir daí, convocá-los a alcançarem metas em comum, que sejam necessárias para a empresa, importantes para ele e para o grupo. Dessa forma, unimos todos a um único objetivo”, explica Márcia.

Estimular a rivalidade ao invés do colaborativismo é uma prática comum em muitas empresas, independente do porte ou do tipo de gestão e isso se dá quando a organização não tem alinhamento em seus propósitos, ou quando a missão e os valores não estão bem definidos.

O funcionário, por sua vez, ao perceber que seu líder está tentando colocá-lo contra alguém no trabalho, deve procurar entender o motivo dessa situação, por meio de uma conversa franca, pois pode ser que o chefe sequer perceba o que está fazendo. Se for necessário, peça a intervenção do RH nessa questão. É importante saber que esse problema é corriqueiro em outras empresas também. Sendo assim, é sempre melhor aprender a lidar com isso, do que mudar de emprego a cada vez que acontece.

 

Fonte: Campanha Comunicação

{module compartilhar}

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!