Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Wazerização da vida

    Eduardo Migliano   Pensa numa pessoa preguiçosa. Não eu. Outra. Para mim, é o cara ou a mina que inventou o Waze. Me explico. Você está lá, feliz, dirigindo, quando ouve o maldito sonzinho avisando que errou o caminho. Você quer morrer só de pensar nisso, afinal, quando a moça fala “recalculando a rota”, ela quer dizer: “vamos dar uma pequena volta ao mundo, ok?” Esse que não deixa de ser um desgaste emocional é causado porque alguém, muito preguiçoso, decidiu que você precisaria de um guia em absolutamente todos os momentos e decisões (incluindo o trajeto casa>padoca>casa) e te condicionou a achar que errar o caminho é a pior coisa do mundo. Brincadeiras à parte, sinto que muitos de nós sofrem uma “wazerização” da vida. Em vez de escolher nossos caminhos, fugimos a todo custo de correr riscos e esperamos que alguém sempre nos diga o que fazer. Ignoramos nossa bagagem de vida, nossa intuição, as experiências vividas e as observadas. Se existe uma voz que vai te dizer quando e onde virar – e até mesmo o que virar –, essa voz é sua. Pelo menos é o que eu aprendi depois de muitas rotas erradas que ninguém recalculou por mim. O que não quer dizer que você está sozinho(a) nesse mundo. Isso nunca. Significa que, entre esperar seu 3G ressuscitar e abaixar o vidro pra perguntar onde fica tal lugar, abaixe o vidro e pergunte. Digo mais: se a resposta que vier se parecer com “não moro aqui, desculpa”, vai fazendo sua parte, que uma hora você chega. Nem que seja à noite, para o jantar. E tem hora mais propícia para um brinde? Talvez porque a hora mais escura seja a que precede o amanhecer. Mas, cuidado. Porque, quando a gente finalmente respira aliviado e tira a mão do volante, vem o Waze e te diz: “você chegou ao seu destino”. E nessa fala temos uma armadilhazinha… Não acho que o destino seja um lugar onde se chega, acredito que é muito mais os lugares por onde você passa. As paisagens que te comovem. Os becos de onde você quer correr. O destino, tenho visto, é bem mais encontrar uma vaga no estacionamento do shopping num sábado à tarde do que largar a chave na mão do manobrista. Tendências globais de mobilidade urbana à parte, acho mesmo que o destino é ir de ônibus. Ônibus. Muita gente querendo ir para o mesmo lugar. Algumas descem no caminho, mas todas chegam. E o ônibus quase nunca para no seu destino final. Você ainda vai ter que caminhar. E aí é hora de ouvir seu “Waze interior” te dizendo para onde ir.   *Cofundador da startup 99Jobs.com e integrante do comitê de criação do CONARH 2017     Fonte: O Estado de São Paulo, 15 de Junho de 2017

Depoimentos

“A ABRH-SP atua como uma verdadeira usina geradora de inovações ao promover o compartilhamento de boas práticas de gestão e conceitos de RH entre os associados. Para nós da Sanofi, este trabalho é de enorme valor, pois nos ajuda a posicionar o RH de forma estratégica dentro da companhia.”
Pedro Pittella – Empresa SANOFIHead of Human Resources Sanofi Group Brazil
"Fazer parte da ABRH-SP está sendo muito bom, pois trouxe a oportunidade de acompanhar as novidades e trocar experiências com diversos executivos de RH, isto traz muito valor agregado"
Marcos Sousa - Empresa GOCILDiretor de RH e Jurídico na Gocil Segurança e Serviços
“Somos Associados ABRH-SP há um ano, as palestras que participamos na ABRH-SP tem nos ajudado a melhorar a gestão junto aos nossos colaboradores e entender que os mesmos são o centro para seguirmos em frente com a nossa companhia, temos muito carinho pela ABRH-SP, obrigado por tudo!”
João Paulo Lopes – Empresa MAZAGGerente de Recursos Humanos Agência Mazag

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?

WhatsApp Precisa de Ajuda? Fale Conosco!