Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

O coaching em resiliência e a lógica feminina

É notável o aumento do número de mulheres que iniciam seu próprio empreendimento. A Rede Mulher Empreendedora, em 2016, fez uma pesquisa com 1.376 mulheres e apontou que dessas 85% já empreendem no Brasil.

O maior motivo para a trajetória de empreender é a busca pela independência financeira ou tempo para maternidade. Nele predomina a lógica do racional: metas, competição, lucros para a sobrevivência dos negócios e pouca flexibilidade para as questões humanas.

Diante disso, a mulher necessita entender suas potencialidades e não apenas ter um plano de negócios para a carreira. Necessita saber encontrar equilíbrio na sua jornada, principalmente para conciliar todas as áreas da vida.

Quando vemos mulheres em negócios, identificamos as mesmas envolvidas num estresse avassalador. E é exatamente por esse estresse que a resiliência é, por excelência, a competência a ser desenvolvida na mulher. Empodera e singulariza o feminino.

Não usamos o termo resiliência com a definição de ser uma pessoa que aguenta qualquer situação, não importa o que aconteça. Principalmente, quando pensamos em uma mulher que necessita saber lidar com a maternidade, um negócio, as finanças, a família, a casa, os estudos, entre outros. Se colocar em risco, obterá impactos em todas as outras áreas da vida, com sérias consequências.

A “Abordagem Resiliente”, estruturada pelo dr. George Barbosa, defende que a resiliência é tomar decisões estratégicas e se constitui de oito áreas em nossa cognição, sendo elas: a arte de analisar o contexto, a autoconfiança, o autocontrole, a empatia, a leitura corporal de si mesma, o conquistar e manter pessoas, o otimismo para a vida e o sentido de vida.

Quando trabalhadas na mulher empreendedora, particularmente em um processo de coaching, alavancamos suas iniciativas de um modo altamente significativo, resultando na oportunidade de desenvolver tanto as competências em seu trabalho, quanto a promoção do seu essencial equilíbrio de vida.

 

Fonte: O Estado de São Paulo, 03 de Fevereiro de 2019.

Comentários

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?