Quatro perguntas que aproximam (ou afastam) você de uma vaga

Quatro perguntas que aproximam (ou afastam) você de uma vaga
Fonte: ABRH-SP Regional Metropolitana Oeste 

Entender o que passa na cabeça do recrutador aumenta as chances de se sair bem em entrevistas de emprego. Está procurando emprego? Quer estar pronto para uma nova oportunidade? Veja as dicas de quem está à frente do processo de seleção.

“Você está contratado!” Estas três palavras com potencial transformador compõem o título do livro escrito por Marcelo de Freitas Nóbrega, diretor de Recursos Humanos da Arcos Dourados, operadora dos restaurantes McDonald’s no Brasil. Foi sobre este tema que ele conversou com os participantes do encontro de profissionais de RH, promovido pela ABRH-SP Metropolitana Oeste, em Alphaville.

Marcelo, que recentemente foi eleito o RH Mais Admirado do Brasil em 2017, ancorou sua apresentação nas quatro perguntas que considera fundamentais em qualquer processo de recrutamento:

 

  1. Você vai resolver o problema que eu tenho?

Antes de tudo, você, candidato, precisa entender por que aquela vaga está aberta. Alguém saiu da empresa ou foi promovido? A área está em expansão? Essa resposta pode esclarecer o que é esperado de quem chega.

O currículo entra como referência, por isso deve ir além de descrições de cargos. “Quero ler sobre sua história, experiência, bagagem e resultados que trouxe para a empresa.”

  1. Qual o seu potencial de crescimento, a sua flexibilidade e capacidade para aprender novas habilidades?

Você já ouviu falar em ambiente VUCA? Esta é uma sigla que vem do inglês e significa volatilidade (volatility), incerteza (uncertainty), complexidade (complexity) e ambiguidade (ambiguity). Nóbrega cita o termo para explicar que está sempre atrás de profissionais que sabem se posicionar diante deste cenário – ou seja, do mundo em constante transformação em que vivemos.

São pessoas, segundo ele, que se expõem a riscos e que desejam aprender a todo momento.

 

  1. O seu jeito de ser tem a ver com a cultura da empresa?

Da perspectiva do contratante, é importante entender quem é o candidato àquela vaga. Do que gosta? E do que não gosta? Por quais empresas passou e com quais mais se identificou?

“Para trabalhar no McDonald’s, por exemplo, é preciso gostar do negócio alimentício e do ambiente jovem”, diz Marcelo. Estar alinhado à cultura tem a ver com o “encaixe do profissional com o resto da equipe e com o jeito de ser, com o DNA da empresa”.

 

  1. A empresa pode pagar?

Um bom recrutador sabe previamente a faixa salarial da pessoa que está avaliando. A partir daí, é preciso olhar o mercado e ponderar o quanto a empresa pode pagar por aquela vaga.

Marcelo é a favor de deixar esse assunto para o final do processo de contratação. “No início, o valor real do candidato em um gráfico seria igual a zero”, afirma. Mas (tirar vírgula,) vai subindo à medida que a empresa investe tempo em sua avaliação. Segundo ele, o candidato, por sua vez, terá que deixar claro, nas conversas, qual o valor que o faria ir além de cifras.