Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

O líder humanizado no mundo ágil

O sucesso no mundo ágil tem como um dos pilares a inovação da cultura organizacional, em que o líder autoritário dá lugar ao líder humanizado. Uma das principais competências deste líder é a empatia. Ele terá êxito ao investir em seu autoconhecimento, identificando as suas emoções, e as emoções do outro, sendo capaz, assim, de ser assertivo, gerando engajamento dos colaboradores, produtividade e decisões mais rápidas que conciliam os interesses das partes.

Leia Mais

Aprender juntos é a essência do saber!

O tema Introdução ao Coaching nos trouxe uma reflexão e um entendimento sobre o profissional coach no que tange aos resultados que podem ser alcançados pelo coachee e todos os aspectos que influenciam o processo para atingir a meta desejada.

Leia Mais

Confira os vídeos disponíveis na websérie da ABRH-SP

Websérie com vídeos gratuitos sempre com conteúdo relacionado ao tema Futuro do Trabalho, o RH CONECTA é uma iniciativa da ABRH-SP que tem como objetivo promover a atualização dos profissionais de Recursos Humanos e gestores de pessoas. Todos os vídeos, em forma de palestras, podem ser assistidos no portal específico do projeto http://rhconecta.abrhsp.org.br ou pela homepage da ABRH-SP, www.abrhsp.org.br.

Leia Mais

Livro conta as histórias do RH no Brasil

Uma sugestão de leitura para este início de ano é o livro Histórias do RH no Brasil, lançado pela ABRH-SP em novembro do ano passado. A obra registra a trajetória da gestão de pessoas do Período Colonial até a atualidade. Os principais acontecimentos históricos que influenciaram a evolução da área estão presentes no livro, como a criação da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, a chegada das multinacionais ao país, a ampla abertura ao mercado externo, entre tantos outros.

Leia Mais

Andragogia e Grupos de Estudos

No mundo atual em que vivemos é um grande desafio direcionar a atenção de um adulto para o aprendizado. Os estímulos externos são múltiplos e atrativos, o que gera uma competição e a necessidade de fazer escolhas e ter determinação para manter o foco.

Leia Mais

Coaching de Time – Os times são mais fortes que qualquer indivíduo!

Nos ambientes corporativos há uma crença de que sabemos trabalhar em times pelo simples fato de realizarmos atividades em grupo. Em todo o mundo, vemos uma proliferação crescente de times, das mais diversas formas: matriciais, virtuais, em rede, ágeis e flexíveis, etc. E essa ilusão nos distancia de buscar a melhor performance desses times!

Leia Mais

Diálogos LAB – Espaço de investigação sobre diálogos nas organizações

“Aventurar-se causa ansiedade, mas deixar de arriscar-se é perder a si mesmo… E aventurar-se no sentido mais elevado é precisamente tomar consciência de si próprio.” – Søren Kierkegaard

Diálogo foi um dos temas mais mencionados na mídia, nas organizações e pelas pessoas nos últimos anos. E, embora a maioria concorde que é o caminho mais adequado para os desafios de hoje, poucos se detêm a investigar como melhorar as interações e trocas.

O que mais se observa, diante de divergências, são debates e discussões em que, ao final, as partes saem com as mesmas convicções, ainda que um dos lados seja vitorioso. E não é raro que essas interações se tornem confrontos com intolerância, agressividade e até violência.

Diante desse cenário e buscando uma forma de troca e aprendizado diferente do debate ou da discussão, propusemos uma nova possibilidade de Grupo de Estudos na ABRH-SP, no formato de um laboratório.

Em encontros durante o ano, pesquisamos – a partir de questões estimulantes – os diálogos nas organizações, buscando maior riqueza das perspectivas, combinadas com leveza, cuidado, companhia e conexão.

Nos orientamos, principalmente, pelo trabalho de David Bohm e pelas abordagens da Comunicação Não Violenta de Marshall Rosenberg e da Teoria U de Otto Scharmer.

Os relatos dos participantes apontam para uma experiência rica no grupo de associados envolvidos, que teve diversidade suficiente para todos se enriquecerem com novas perspectivas sobre as questões de poder, preconceito, gênero e diversidade no mundo corporativo.

A prática dialógica proporcionou o fortalecimento de conexões entre os participantes que relataram também o desenvolvimento da escuta ativa e de mais consciência sobre si com a atenção na suspensão dos nossos pressupostos. Esta foi, assim, também uma aventura de se conhecer por um exercício reflexivo individual e coletivo.

 

Por Fernando Baganha, facilitador do Grupo de Estudos Diálogos LAB, de São Paulo

 

Fonte: O Estado de São Paulo, 30 de dezembro de 2018.

Clareza no processo de coaching

Ás vezes, a demanda de coaching vem assim: “preciso de mais presença executiva” ou “tenho que desenvolver pensamento estratégico”. Em um processo de coaching, um dos mais importantes passos é buscar clareza do que se precisa desenvolver.

No primeiro caso, a questão que se coloca é: o que faz uma pessoa que demonstra “presença executiva”? Apareceram aspectos relacionados às habilidades sociais, relacionamento com pessoas de outras áreas e a capacidade de influência. Desdobrando um nível, apareceram diversos comportamentos, dentre eles “escutar por completo e demonstrar, ainda que não concorde”. Comportamentos podem ser desenvolvidos.

No segundo caso, o esclarecimento do que significa “pensamento estratégico” foi particularizado para a posição do cliente, um gestor comercial, algo que se traduziu em ampliar o conhecimento sobre produtos e mercados. As ações foram participar de fóruns e eventos que ajudassem a entender as estratégias de mercado, quais seriam os novos produtos, novas tendências de consumo e questões que não faziam parte do dia a dia do profissional comercial e que faltavam desenvolver para ampliar seus horizontes e refletir-se no seu repertório.

As pessoas mudam os comportamentos que quiserem. Todavia, o trabalho de coaching não é, nem poderia ser, algo que altere a personalidade da pessoa. Alguém que se reconhece organizado, e adora fazer coisas com altíssima qualidade e sem erros, não se tornará a pessoa mais criativa do mundo. Poderá desenvolver vários comportamentos criativos, mantendo o mesmo jeito de ser. E só fará isso se a mudança fizer sentido, pois caso contrário não haverá empenho em desenvolver essas habilidades.

Todo trabalho de coaching começa com a busca da clareza a respeito de aonde se quer chegar, e como esses caminhos fazem sentido em relação aos valores e propósitos da pessoa – dois aspectos fundamentais para começar bem um projeto de coaching.

Por Dante Mantovani, integrante do Grupo de Estudos Introdução ao Processo de Coaching, de São Paulo

 

Fonte: O Estado de São Paulo, 30 de Dezembro de 2018

CORHALE acompanhou 266 proposições neste ano

CORHALE acompanhou 266 proposições neste ano

Do total de 2018, 79 (30%) sofreram algum tipo de movimentação, sendo que 40 delas tinham Notas Técnicas emitidas pelo comitê

Ao longo de 2018, o CORHALE – Comitê RH de Apoio Legislativo acompanhou 266 proposições de parlamentares originadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, número superior ao de 2017 e 2016 quando foram monitoradas, respectivamente, 244 e 199.

Do total deste ano, 79 (30%) sofreram algum tipo de movimentação, sendo que 40 delas tinham Notas Técnicas emitidas pelo CORHALE com pareceres favoráveis ou desfavoráveis para influenciar a posição dos parlamentares – o comitê decidiu não se posicionar sobre 17 delas. Os números foram apresentados por Iradj Eghrari, diretor-gerente da Ágere Cooperação em Advocacy, assessoria do CORHALE no Congresso Nacional, no dia 11 de dezembro, na sede da ABRH-SP.

Eghrari fez um balanço das atividades do ano: “Por causa das eleições, poucos projetos caminharam nas casas legislativas – para se ter uma ideia, apenas a proposição que dispensa os funcionários para exames de câncer ginecológico e urológico se tornará lei – e foram somente 36 novas proposições apresentadas, ante 58 em 2017. Várias tinham o intuito de alterar ou anular a reforma trabalhista, que entrou em vigor no final de 2017”.

Ele explicou como funciona o trabalho de monitoramento das proposições, que inclui o levantamento semanal daquelas de interesse do CORHALE, o acompanhamento do trabalho feito nas comissões e o encaminhamento da Nota Técnica ao relator e aos demais deputados integrantes das comissões para influenciar a posição adotada. Das 266 proposições de interesse acompanhadas, 153 tinham Nota Técnica do comitê.

Sobre o CORHALE

Atualmente braço legislativo da ABRH em todo o Brasil, o CORHALE, criado e mantido pela ABRH-SP desde 2009, tem como propósito acompanhar e influenciar a formação das leis que afetam as relações trabalhistas. O comitê mantém um site próprio – http://corhale.org.br/ – para disseminar a sua produção técnica e promover o debate e o consequente aperfeiçoamento das questões que permeiam as relações de trabalho no Brasil.

Fonte: O Estado de São Paulo, 23 de dezembro de 2018.

QUER OBTER CONTEÚDO DE QUALIDADE COM INFORMAÇÃO ATUAL?